Latifúndio bolsonarista incendeia Amazônia e imperialismo se intromete

A- A A+

Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace

Adaptação para a edição impressa (nº 226) do jornal A Nova Democracia de artigo publicado no site do mesmo no dia 25 de agosto de 2019.


Nos dias 10 e 11 de agosto foi promovido o “Dia do fogo”, uma ação política dos latifundiários bolsonaristas que devastou produções dos camponeses e pequenos produtores e cobriu várias regiões do país com nuvens de fumaça.

Em entrevista ao jornal Folha do Progresso, do interior do Pará, os próprios latifundiários disseram que o objetivo foi promover queimadas em vastas regiões do país de modo coordenado em apoio ao governo. Mais especificamente, o objetivo foi destruir florestas e áreas de preservação para apropriar-se delas, e para justificar a militarização da região e sufocar a luta pela terra, coibi-la e reprimir os camponeses em luta pela Revolução Agrária.

As queimadas tomaram áreas na região do Pará, em toda a região Amazônica e até mesmo no Centro-Oeste e na tríplice fronteira com a Bolívia e o Paraguai.

Em Rondônia, no dia 13 de agosto, o fogo das queimadas foi-se alastrando ao longo da Linha TB-14 e atingiu dezenas de casas, incluindo o assentamento Galo Velho, no município de Machadinho do Oeste. Depois do fogo se extinguir, os camponeses retornaram ao local e encontraram, além de suas casas e pertences destruídos, um casal que morreu abraçado e carbonizado.

Intromissão imperialista e latifúndio

Diante da repercussão internacional negativa, chefes de países imperialistas, como Emmanuel Macron (França), sentiram-se encorajados a se intrometerem nos assuntos internos do país e chegaram a ameaçar aplicar boicote ao agronegócio e barrar o acordo Mercosul-União Europeia, devido aos incêndios. Chamando a Amazônia de “nossa casa”, Macron pintou-se como “ambientalista” enquanto saqueia as riquezas naturais dos países oprimidos.

Tais países imperialistas da Europa se opõem à expansão do latifúndio brasileiro não por interesses “humanistas”, mas por pretensões coloniais de apoderarem-se dos recursos naturais da Amazônia a médio e longo prazos.

Por outro lado, se opõem a isso porque,  após  o acordo firmado pelos dois blocos, a produção do latifúndio brasileiro terá o acesso ao mercado interno do velho continente facilitado, o que pode arruinar os subsidiados fazendeiros franceses – base social importante para a política interna francesa.

No Brasil, por sua vez, a divisão sobre o que fazer penetra inclusive nas fileiras do latifúndio. Uma parcela dos latifundiários, vinculados à extrema-direita, pressiona o governo a avançar sobre as florestas para enriquecerem-se mais ainda às custas do atraso do povo e da Nação, enquanto que outros importantes representantes dessa classe, mais ligados à direita, se posicionaram contrariamente ao avanço, por medo das implicações negativas nas exportações.

GLO na Amazônia

No dia 23, aproveitando-se e tentando dar uma resposta à pressão internacional, o governo de Bolsonaro e dos generais permitiu, via decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o emprego de tropas das Forças Armadas e de outras forças federais para “combater o incêndio” em toda a região da Amazônia Legal.

Até o fechamento desta edição, as tropas federais estão atuando na área rural do Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Mato Grosso, Pará e Tocantins. O cenário de militarização da região também coloca em alerta os camponeses pobres, especialmente aqueles em luta pela terra.

Na Amazônia Legal estão os dois estados (Pará e Rondônia) onde mais pessoas morreram em conflitos entre camponeses e latifundiários nos últimos anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza