Indígenas Xikrin expulsam invasores de suas terras no Pará

A- A A+

Foto: Lalo de Almeida/FolhaPress

Enquanto as queimadas na Amazônia dominavam o noticiário do mundo inteiro na semana passada, a resistência de um povo guerreiro passou quase despercebida em meio à crise diplomática que se abriu entre o Brasil e os imperialistas do G7. Cansados de esperar uma atitude do governo federal, os índios da etnia Xikrin expulsaram invasores que estavam desmatando e queimando a Terra Indígena (TI) Trincheira Bacajá, no município de São Félix do Xingu (PA).

Armados de espingardas e bordunas, os indígenas formaram uma expedição para retomar as terras que foram invadidas no final do ano passado, com a conivência do velho Estado. No local, os invasores, em sua maioria camponeses sem terra desesperados por décadas de uma inexistente “reforma agrária”, já haviam preparado vários hectares e preparado pastagem em algumas áreas invadidas. Ao verem os guerreiros indígenas armados, os invasores não ofereceram resistência e concordaram em deixar as terras. Além de expulsá-los, os índios apreenderam motosserras, espingardas e ferramentas.

‘Bolsonaro liberou, por isso a gente veio’

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, a liderança Bekara Xikrin disse que os camponeses foram induzidos a invadir a água por conta das declarações do Bolsonaro. O camponês teria dito: “A terra está liberada, o Bolsonaro liberou, por isso que a gente veio. A gente quer trabalhar, quer ajudar indígena”. O líder indígena rebateu: “Não, este indígena não quer, guerreiros velho não quer, não pode desmatar”.

Atualmente, o Pará possui o trágico título de ser o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia legal, e somente no mês de julho a Trincheira Bacajá perdeu 15 km² de terra.

Enquanto isso, a concentração de terras no Brasil bate recordes, ano após ano. Segundo o Censo Agropecuário de 2017, apenas 2,4 mil fazendas com mais de 10 mil hectares (grandes latifundiários), representando miseráveis 0,04% das propriedades rurais no Brasil, ocupam 51,8 milhões de hectares. Enquanto isso, as propriedades rurais com até 50 hectares (camponeses pobres e médios), representando 81,3% das propriedades rurais, ocupam ainda menos terras: apenas 44,8 milhões de hectares.

Diante de tal concentração fundiária, os latifúndios vão apoderando-se de nacos cada vez maiores das terras cultiváveis, espremendo os camponeses pobres e os povos originários para as miseráveis fatias sobrantes, incitando disputa e conflito entre eles.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja