Grécia: Operação de guerra expulsa moradores de suas casas

A- A A+

Polícia grega em Exarcheia, em abril de 2019, para despejar imigrantes das ocupações

Na manhã do dia 27 de agosto, em Atenas, o distrito de Exarcheia, famoso por diversas ocupações que abrigam imigrantes, sem-teto e ativistas ligados a movimentos sociais na Grécia, foi cercado por um enorme contingente de forças policiais que removeu pelo menos quatro ocupações. A repressão mobilizou ônibus anti-motim, polícia antiterrorista, camburões, membros da polícia secreta (asfalitas), bem como helicópteros e vários drones

As ocupações evacuadas foram Spirou Trikoupi 17, Transit, Rosa de Foc e Gare. 

O distrito é um dos poucos locais da Europa com alta concentração de ocupações e é também conhecido por sua resistência à repressão policial e solidariedade com imigrantes. No total, existem 23 ocupações em Exarcheia e outras 26 ao redor, sendo um total de 49 concentradas numa área relativamente pequena.

É muito comum que, durante as operações policiais de despejo de imigrantes e sem-tetos, muitos deles, assim como as crianças que vivem lá, sejam expulsos para viverem em campos de refugiados, albergues e outros locais superlotados, insalubres e sem estrutura, administrados pelo velho Estado grego.

Histórico de resistência

O distrito de Exarcheia ficou internacionalmente conhecido principalmente em dezembro de 2008 quando um estudante de 15 anos, Alexandros Grigoropoulos, morador do bairro, foi morto pela polícia. A morte do jovem desencadeou protestos combativos gigantes na cidade de Atenas, e Exarcheia, particularmente, virou um campo de batalha. A revolta da juventude foi tão grande que, enquanto o primeiro-ministro falava que “manteria a população a salvo dos protestos”, policiais eram combatidos por manifestantes do lado de fora do parlamento.

LEIA TAMBÉM: Grécia: um país em chamas

Após uma semana de protestos, a polícia grega havia usado mais mais de 4,6 mil bombas de gás lacrimogêneo, e necessitaram entrar em contato com Israel e Alemanha, pois o seu estoque havia acabado.

De acordo com o jornal The Guardian, nas ruas de Atenas naquele mês se viam jovens de até 12 anos de idade na linha de frente dos protestos, gritando: Policiais! Porcos! Assassinos!

Essa onda de protestos da juventude ficou conhecido como a “geração dos 700 euros”, pois, em meio a uma grave crise econômica grega que dura até hoje, essa era a perspectiva de salário para os jovens quando crescessem. Muitos pais se juntaram aos filhos apoiando os protestos, demonstrando a revolta de toda a população grega contra a crise econômica, as péssimas condições de trabalho, a corrupção dentro do velho Estado, a violência policial direcionada à juventude combatente e, principalmente, a vontade de superar um sistema caduco, falido e exploratório.

LEIA TAMBÉM: Suicídio dramático incendeia a Grécia

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja