RJ: Moradores de favelas rebelam-se contra operações de guerra da PM

A- A A+


Furiosos com a opressão, moradores se rebelam e promovem grande protesto na Cidade de Deus. Imagem: TV Globo

Dezenas de moradores da Cidade de Deus, na zona oeste do Rio, realizaram um grande protesto na manhã do dia 3 de setembro, reagindo contra uma operação de guerra promovida na região pelo Comando de Operações Especiais (COE) da Polícia Militar (PM). O estopim para a rebelião popular foi a destruição de moradias precárias promovidas por um veículo blindado ("caveirão") em um local da favela conhecido como Brejo.

Os moradores, revoltados com a rotina de guerra imposta pelas tropas do governador Wilson Witzel, se mobilizaram e trancaram a rua Edgard Werneck e a estrada Marechal Miguel Salazar. Os manifestantes pararam pelo menos cinco ônibus do transporte coletivo, esvaziaram e atravassaram-os nas vias, formando uma grande barreira. Barricadas foram erguidas e incendiadas em vários pontos das vias.

Uma viatura da PM que se deslocou ao local para reprimir os moradores foi obrigada a se retirar em alta velocidade e sob xingamentos. Um dos manifestantes, indignado com a situação de opressão, desabafou seu ódio chutando o carro da repressão, que nada pôde fazer diante da fúria popular.


Moradores esvaziam ônibus e trancam importante via na Cidade de Deus. Imagem: TV Globo

A destruição das moradias, feitas com madeirite e outros frágeis materiais por famílias de trabalhadores, ocorreu após o blindado “caveirão” forçar uma passagem entre esses barracos, mesmo sendo perceptível que não havia espaço para a manobra. Duas moradoras, ao verem suas casas destruídas pela ação, passaram mal e foram socorridas. Crianças ainda dormiam quando o veículo forçou passagem.

“Isso é inaceitável! Tem criança! Assassinos! Nossos barracos! Respeita a gente, nós trabalhamos! Olha a covardia, cara!”, gritam moradores em vídeo feito por um dos trabalhadores que reside no local, durante a ação do blindado (o vídeo foi publicado na página “CDD Acontece”).

"Isso é errado, é isso que esse governador faz. O ‘caveirão’ passando por cima de barraco, a gente sem defesa nenhuma. Eu acordei aos gritos. Isso é errado! Vocês mexeram no formigueiro!", disse um morador durante o protesto, segundo apuração do portal G1.


Viatura é repelida pelo protesto popular. Imagem: TV Globo

Vila Kennedy se levanta

Na manhã do mesmo dia 3, moradores da Vila Kennedy, também na zona oeste da capital fluminense, promovem um combativo protesto na avenida Brasil contra o assassinato de um pedreiro que trabalhava em uma laje durante uma operação policial. Os moradores iniciaram o protesto às 11h30, queimando pneus nos dois lados da principal via da cidade.

“Acabaram de matar um trabalhador aqui em cima da minha laje, ele estava botando a laje para mim”, diz o homem, sensivelmente emocionado, em vídeo gravado logo após o ocorrido, publicado na página Voz da Vila Kennedy. “O cara trabalhando aqui, gente! Ele trabalhando! O policial veio, deu um tiro, não tinha ninguém, cara! Impressionante, cara, como a gente está sofrendo aqui na Vila Kennedy! Polícia entrando o tempo todo, crianças, trabalhadores indo embora!”, protestou o morador.

Uma moradora desabafou, na mesma página: “Como vão ficar agora os parentes para sustentar a família? De 100% dos policiais, tire 2%, o resto só vai para rua com drogas na mente, é lamentável, [para eles] todo mundo é bandido”.

Durante a manifestação, um ônibus foi incendiado pela fúria popular.

Manifestantes em justa revolta incendiaram ônibus da Vila Kennedy. Imagem: TV Globo

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja