Cresce repúdio ao governo: 38% consideram-no ruim ou péssimo

A- A A+

O governo de Bolsonaro, tutelado Alto Comando das Forças Armadas (ACFA), é cada vez mais reprovado pela opinião pública. Segundo a pesquisa do Datafolha, de agosto, subiu de 33% para 38% o número de pessoas que consideram o governo ruim ou péssimo, se comparado com o índice do início de julho.

Além do crescimento do índice “ruim ou péssimo”, houve uma queda entre aqueles que consideram o governo “bom ou ótimo”: em julho, o índice era 33% e, em agosto, decaiu para 29%. Aqueles que consideravam o governo regular baixaram de 31%, em julho, para 30%, em agosto. A região onde sua rejeição mais cresceu foi o Nordeste: em agosto, o índice “ruim ou péssimo” bateu 52%, num crescimento de 11 pontos percentuais.

Entre aqueles que têm renda familiar mensal de até dois salários mínimos, a reprovação do governo foi de 34%, em abril, para 43% em agosto. Essa faixa representa nada menos que 44% da população brasileira com 16 anos ou mais.

O governo perdeu força ainda entre os residentes da região Sul, nos mais escolarizados (43% de reprovação) e mesmo entre os que têm rendimento superior a dez salários mínimos (46% ruim ou péssimo).

Além disso, políticos importantes do campo reacionário se afastaram do governo, especialmente do fascista Bolsonaro, como os direitistas Kim Kataguiri, Janaina Paschoal, Marcel van Hattem e João Doria, além de personalidades da extrema-direita civil, como Alexandre Frota. Isso deve tornar a vida do governo mais difícil em sua relação com o parlamento, elevando as já existentes crises política, institucional e militar a novos patamares.

Ainda segundo o Datafolha, "se a eleição fosse hoje", 13% dos eleitores de Bolsonaro, que foram iludidos pelo discurso antipetista, afirmaram que não votariam em ninguém.

O mais desgastado, tudo indica, é o próprio presidente fascista Jair Bolsonaro. O índice de rejeição cresce após a aprovação da “reforma da Previdência” e após a sucessão de polêmicas geradas por declarações extremistas ou decisões de Bolsonaro, como a indicação do seu filho, Eduardo Bolsonaro, como diplomata no USA.

Implicações para a direita e a extrema-direita

O desgaste, além disso, cresce em meio à disputa entre extrema-direita militar-civil (encabeçada pelo grupo de Bolsonaro) e a direita militar-civil (encabeçada pelo núcleo de establishment) pela direção do golpe militar contrarrevolucionário posto em marcha em 2015 para prevenir um levante de massas. O núcleo do establishment é composto pelo ACFA, pelo seleto grupo de procuradores da “Lava Jato”, pelo monopólio de imprensa e por grandes industriais, banqueiros e corporações do agronegócio.

O plano da direita militar-civil é desgastar a imagem de Bolsonaro, elevar sua rejeição e substitui-lo por Mourão, ou de outro modo quando perceberem que não haverá resistência dentro das baixas patentes das Forças Armadas e na opinião pública reacionária. A direita procede assim porque considera o plano bolsonarista de reeditar o regime militar fascista uma aventura perigosa, que arrastará o país à guerra civil e pouco conveniente para o momento.

Bolsonaro, por sua vez, procura manter sua base extrema-direitista civil e nas tropas unida e elevar a crise institucional, criando ambiente favorável à difusão da sua retórica, segundo a qual as instituições estão contaminadas. Através desse plano, a extrema-direita bolsonarista espera ganhar hegemonia entre os comandantes e unidades militares e arrematar a instauração do regime militar.

Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza