México: Povo Triquis comemora dois anos de resistência e ocupação

A- A A+

Os Triquis despejados de San Miguel Copala comemoram os dois anos de sua resistente ocupação

O povo indígena Triquis, organizado pelos revolucionários da Corrente do Povo - Sol Vermelho (Sol Rojo), emitiu, no dia 24 do último mês de agosto, uma nota comemorando os dois anos de ocupação da praça do Palácio do Governo em Zócalo, no estado de Oaxaca. Apesar de toda dificuldade, perseguição e repressão que o povo encontra estando deslocado de sua terra originária, os Triquis resistem através da ocupação no coração da cidade, como forma de protesto ao descaso do velho Estado com seu povo.

Desde 2010, mais de 150 famílias Triquis se encontram sem terra e sem moradia, tendo sido violentamente expulsas de sua comunidade de San Miguel Copala, em Oaxaca, por grupos paramilitares. Sua luta continua, desde então, contra o assassinato de seu povo, assim como o desaparecimento de seus companheiros em emboscadas e do padecimento de muitos devido às péssimas condições de vida após o deslocamento. Hoje, os povos ocupam pelo segundo ano a praça da cidade, Zócalo, como forma de protesto contra o descaso governamental.

O monopólio de imprensa de Oaxaca, por sua vez, diz que o povo Triquis “converteu sua condição de despejados em uma mina de ouro”, dando a entender que eles se beneficiariam por ganhar algumas migalhas do velho Estado mexicano como assistencialismo para a compra de comida e material de artesanato.

O povo originário diz, em contrapartida, que a sua ocupação continuará enquanto for necessário no objetivo de conquistar a terra que lhes é negada, e que estão convencidos de que só com a Revolução Agrária e Anti-imperialista os povos oprimidos e os camponeses pobres poderão acabar com a odiosa feudalidade que pesa sobre suas costas. “Viva a Revolução Agrária, morte ao latifúndio!”, declaram.

Viúvas Triquis levantam cartaz declarando greve de fome pelo seu reconhecimento como deslocadas internas (refugiados que não cruzam a fronteira), devido ao brutal assassinato de seus maridos e seu povo, em 2010

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira