Bolsonaro e generais avançam militarização das escolas

A- A A+

O governo de Bolsonaro e dos generais do Alto Comando militar anunciaram um impulso ao processo de militarização das escolas públicas, no dia 5 de setembro, durante uma cerimônia no Palácio do Planalto. Agora, o governo federal, visando ampliar tal projeto, disponibilizará aos governos de todas as esferas agentes militares das Forças Armadas para gerenciar as unidades de ensino.

No projeto, segundo o ministro da Educação, o extremo-direitista Abraham Weintraub, os professores seguirão sendo civis, mas estarão rodeados de militares “que cuidarão da gestão, administração, disciplina e valores cívicos”. O foco da militarização são as escolas em locais pobres (de “vulnerabilidade social” e com baixos índice de desenvolvimento de educação básica).

O fascista Bolsonaro, que prometeu desde a campanha eleitoral ampliar a militarização das escolas, incentivou ainda os governos estaduais e municipais a imporem tal processo aos pais de estudantes. Para que a militarização ocorra especificamente em estados e municípios, é obrigatória a aprovação dos respectivos governos locais.

Bombeiros e policiais militares poderão também ingressar no programa, uma vez destinados pelos governos estaduais e municipais.

Os militares que adentrarem no projeto receberão um incremento de 30% em cima da remuneração que recebiam antes da aposentadoria. Eles serão contratados após processos seletivos, com tempo mínimo de dois anos e possibilidade de prorrogar os contratos por até dez anos. Uma das funções dos militares será cuidar da chamada “questão comportamental”, como corte de cabelo e uso de uniformes.

O Exército e a ‘disciplina’

Bolsonaro afirmou que as escolas militarizadas serão um avanço à educação, pois são superiores em “disciplina”. O receio, no entanto, é sobre qual base assenta-se essa disciplina e até que ponto ela é efetiva.

Não são raros os casos tornados públicos de torturas contra jovens nas forças. No dia 29 de abril, por exemplo, foi instaurado, pelo Ministério Público Federal, um inquérito para apurar denúncias de torturas ocorridas em um batalhão de Jataí, em Goiás, contra os jovens que são recrutados no Exército. Na ocasião, 11 jovens foram atendidos em uma unidade de saúde.

Uma funcionária do hospital que atendeu os jovens atestou, em anonimato ao G1, que eles estavam sofrendo de hipotermia. Familiares acusam os oficiais de agressão e submetê-los a situações extremíssimas. Em 2017, na mesma cidade, um soldado foi torturado e teve a agressão filmada pelos próprios militares responsáveis pelo ato.

Em março desse ano, em novo caso de tortura, o Exército foi condenado a pagar R$ 400 mil por conta de um episódio sádico promovido por superiores, dentro de um quartel, contra um jovem soldado, em abril de 2017. O caso ocorreu na 27ª Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, o jovem recruta foi espancado, com os pés e as mãos amarrados, por 18 superiores, por mais de dois minutos. Os torturadores militares usaram paus, pedaços de fios e de plástico para agredir o jovem. Antes de concluir o ataque bestial, um superior ordenou: “Soltem o cachorro!”, em referência a um cabo, apelidado como “cachorro louco”, que, simulando um cão, mordeu as nádegas do jovem, chegando a arrancar pedaços.

O jovem teve ainda, como consequência do ataque, um dos testículos arrancados e outro seriamente prejudicado, segundo diagnóstico dos médicos do Hospital Central do Exército.

Parte do golpe militar

A medida, além disso, é parte do golpe militar contrarrevolucionário, desatado pelo núcleo do establishment (cujo centro é o Alto Comando das Forças Armadas) em 2015, e hoje com brigando com a extrema-direita bolsonarista que, ao ganhar a eleição, passou a disputar a direção da ofensiva contrarrevolucionária.

Leia também: Crise militar é escancarada: General consultou STF sobre intervenção militar

Tanto os generais e altos comandantes (direita) como o grupo de Bolsonaro (extrema-direita) procuram impulsionar a militarização da sociedade como parte da sua terceira tarefa reacionária: elevar a repressão, o controle social e a negação de direitos para impedir a rebelião geral das massas e o perigo de revolução.

Foto ilustrativa

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira