RJ: PM destrói, invade casas e saqueia comércio durante operação no Alemão, denunciam moradores

A- A A+

No dia 6 de setembro, moradores do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, tiveram suas casas invadidas, muros derrubados e lojas saqueadas por policiais, além de outros abusos, durante uma operação da Polícia Militar (PM) nas regiões da Alvorada, Nova Brasília e Casinhas. A operação foi dirigida pela Coordenadoria de Polícia “Pacificadora” (CPP) e iniciou-se às 5h30, estendendo-se por toda a manhã.

Segundo a matéria do jornal O Dia, desde o começo do dia há relatos de intensos tiroteios na região, com casas com marcas de bala, caixa d’águas perfuradas por tiros, fios elétricos destruídos por disparos, vários locais sem luz e moradores sem internet. Em uma foto que circulou nas redes sociais, um morador é acuado por um policial que invadiu sua casa e sentou em seu sofá, enquanto apontava a arma para a rua. 

Sobre a invasão de casas, um moradore relatou: “Polícia invade casa de morador para poder atirar”. Outro escreveu: “Eles estão jogando bomba e invadindo as casas dos moradores”.

Nas redes sociais, diversas imagens da operação estão sendo divulgadas pela população. Em um vídeo, uma moradora mostra o muro de sua casa destruído pelo “caveirão”. Em outro, um comerciante mostra sua loja saqueada pelos policiais

Como resultado das operações, escolas foram fechadas, assim como clínicas da família e comércios da região, prejudicando ainda mais a vida do povo.


Policial se apoia no sofá de morador e aponta um fuzil para fora. Foto: Reprodução/WhatsApp

Guerra contra o povo

O governador Wilson Witzel, do Partido Social Cristão (PSC), ao comparecer em um evento no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio, no dia 5 de setembro, disse que está pensando em utilizar protocolos de guerra nas favelas, declarando uma vez mais guerra às massas.

Fazendo uma analogia à Segunda Guerra Mundial, ele comparou as operações policiais com as ofensivas militares nazistas contra a Inglaterra e disse: “Vamos trabalhar um plano de segurança para reduzir os danos, para que a população saiba como se comportar em operações da polícia. Na Segunda Guerra Mundial, eles [ingleses] tocavam a sirene, ia todo mundo para debaixo da terra, para evitar os bombardeios nazistas, e a Inglaterra poder sobreviver”.


Residência com marcas de tiros. Foto: Reprodução/WhatsApp


Pichação encontrada em São Cristóvão no mesmo dia da operação: 'Witzel assassino e terrorista!'

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja