RS: Exército reacionário cerca o Monumento ao Expedicionário no 7 de setembro

A- A A+

Foto: Francisco Marshall

No último 7 de setembro, dia da "independência" do Brasil - que, anualmente, é marcado por desfiles dos aparatos de repressão do velho Estado semicolonial brasileiro -, tropas do Exército reacionário montaram um aparato de guerra para cercar o Monumento ao Expedicionário, no Parque da Redenção, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

O fato chamou a atenção das pessoas que estavam na região, particularmente as que participariam das tradicionais manifestações populares que ocorrem nesta data. Elas denunciaram que aquilo tratava-se de uma demonstração de força na tentativa de intimidar a população que foi para as ruas exercitar seu direito de manifestação. 

De toda a história do Exército reacionário do genocida Duque de Caxias, o único episódio que é lembrado com júbilo pelos progressistas é a campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália, na qual mais de 400 brasileiros verteram seu sangue na gloriosa luta contra o nazifascismo. Vale ressaltar que a grande campanha popular para a criação da FEB foi também uma iniciativa dos comunistas e da esquerda em geral, sendo que muitos militantes comunistas embarcaram para a Itália.

Leia também: FEB: a cobra fumou na Itália
Leia também: Aqui, no campo de batalha italiano...

Uma das vozes que denunciaram o cerco do Exército ao Monumento ao Expedicionário em Porto Alegre foi o professor Francisco Marshall, que, em rede social, publicou uma carta aberta aos comandantes da 3ª Região Militar do Exército e da Brigada Militar.

"Por que os Srs. enviaram força militar, incluindo PE e tropa de choque, em 07/09/2019, dia da pátria, para o local em que cidadãos brasileiros foram celebrar a data nacional e exercer seu civismo patriótico? O Monumento ao Expedicionário, no Parque da Redenção, em Porto Alegre, é ponto de encontro desta cidade, e para lá dirigiram-se docentes, estudantes e concidadãos que defendem educação, ciência e cultura. Que defendem esse país, seu passado e seu futuro", protestou. 

"As imagens da logística e da presença das tropas em torno do monumento, ademais, evidenciam cena impropriamente agressiva. Parecem cena de filme em alguma republiqueta submetida a golpe e ditadura", dispara Francisco Marshall, e prossegue: "Esta cena é completamente imprópria, desnecessária, inconveniente".

Foto: Francisco Marshall

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja