Filho de Bolsonaro sugere golpe fascista para ‘transformar o país'

A- A A+

Tanques ocupam avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro, em repressão à manifestação popular nos anos de 1960. Foto: Correio da Manhã/Arquivo Nacional/Domínio Público

Carlos Bolsonaro, filho do presidente fascista, sugeriu um golpe de Estado e a instauração de um regime fascista no país. “Por vias democráticas, a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer”, escreveu, numa rede social, no dia 9 de setembro.

Carlos afirmou ainda que o atual governo tenta colocar o Brasil “nos eixos”, mas, sugerindo que o governo é vítima de sabotagem, escreveu que “os avanços são ignorados, e os malfeitores são esquecidos”.

A declaração, que busca propagar na opinião pública o projeto fascista advogado pelo grupo de Bolsonaro, foi repreendida por políticos da centro-direita (PSDB, MDB e outros) e por setores do oportunismo (PT, Psol, PDT e outros).

Leia também: Crise militar é escancarada! General consultou STF sobre intervenção militar

A declaração corrobora com o histórico do grupo de Bolsonaro. Em entrevista ao programa Câmara Aberta, em 1999, ao ser perguntado o que faria se fosse presidente, Jair Bolsonaro respondeu: “Não há a menor dúvida, daria golpe no mesmo dia! Não funciona!”. E emendou: “Só vai mudar [o país], infelizmente, no dia em que partir para uma guerra civil aqui dentro!”.

Em outra ocasião, seis anos antes, Bolsonaro havia dito que é, sim, a favor de instaurar uma reedição do regime militar fascista: “Sou a favor sim de uma ditadura, de um regime de exceção, desde que esse Congresso dê mais um passo rumo ao abismo, que no meu entender está muito próximo”.

Já o outro filho do fascista, Eduardo Bolsonaro, sugeriu, durante uma palestra em julho do ano passado, que havia um plano de fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) caso os ministros impugnassem a candidatura à presidência de seu pai. “O pessoal até brinca: cara, se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo”, disparou.

Transformar o país em quê?

Quando menciona “transformar o país”, longe disso, Carlos (que está sendo porta-voz de seu pai, que não pode falar tais coisas por ser presidente) refere-se a aplicar as três tarefas reacionárias, como têm analisado os Editorias do jornal A Nova Democracia. Segundo afirmamos no Editorial de AND 222, são elas: “1) Tirar o país da crise e impulsionar seu capitalismo burocrático; 2) Reestruturar o velho Estado para impor o regime político correspondente e necessário a manter a velha ordem; e 3) Conjurar o perigo de Revolução através da restrição máxima da liberdade de organização e manifestação das massas, do incremento das leis de criminalização do protesto popular, do endurecimento penal e da escalada da ação violenta dos órgãos de repressão do Estado com a intervenção das Forças Armadas, além da descaracterização e demonização das organizações classistas combativas das massas populares”.

O grupo de Bolsonaro, por um lado, e o núcleo de establishment (Alto Comando das Forças Armadas – ACFA –, núcleo de procuradores da “Lava Jato”, a cabeça do monopólio dos meios de comunicação e donos de corporações do agronegócio, industriais e banqueiros), por outro, divergem de como aplicar as três tarefas.

A briga é para decidir “que tipo de regime conformar em substituição ao desmoralizado e agonizante sistema político atual”. O Editorial de AND 222 ainda sintetiza: “A extrema-direita de Bolsonaro só crê no regime militar fascista e está buscando acumular forças para consumá-lo. Bolsonaro e sua camarilha fazem a conta de que quanto mais se aprofundar a crise no país, maiores serão as chances de seu projeto ganhar a maioria nos meios militares. A direita, hegemônica hoje no ACFA, também se bate por um regime de máxima centralização de poder no Executivo, porém mantendo um legislativo e judiciário submissos e a preservação mínima de direitos civis. É a lição tirada da história recente pelo ACFA, cuja conclusão é a de que o caminho de Bolsonaro não pode se sustentar por muito tempo e, ao impor-se, já ampliaria o campo de oposição e de resistência ao governo, que terá tarefas dificílimas de se implementar”.

Ditadura para quem e contra quem

Enquanto critica o regime demoliberal (velha democracia) e atribui a “solução” do país a uma ditadura fascista, o grupo de Bolsonaro – tutelado pelos generais do ACFA – prossegue a política de superexplorar o povo, baixar seu nível de vida e entregar tudo ao agronegócio e às potências estrangeiras, especialmente o USA.

Em setembro, o governo Bolsonaro/generais pretende apresentar ao Congresso o projeto batizado de “carteira de trabalho verde e amarela”, cujo conteúdo é o proletariado e demais massas populares trabalharem sem todos os direitos trabalhistas previstos na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Aparentemente voluntário, esse regime de trabalho obrigará todos os trabalhadores a aderirem, dada a concorrência pelo alto índice de desemprego real (somado os desalentados e subempregados, o número de pessoas desempregadas ultrapassa 28 milhões). Ganharão com isso os monopólios estrangeiros e locais, que empregarão a força de trabalho com um custo ainda mais baixo, fazendo-a trabalhar por longas jornadas e sem diversos encargos.

Na tal “carteira de trabalho verde e amarela”, o trabalhador perderia o direito ao vale-transporte, adicional noturno e o direito a faltas não descontadas em caso de morte de entes queridos, casamento ou licença-paternidade.

A “reforma da Previdência” de Bolsonaro e dos generais, por exemplo, fará as massas populares trabalharem até 65 e 62 anos (homens e mulheres, respectivamente) e lhes obrigará contribuir por 40 anos. Tal reforma, a propósito, só foi aprovada após o governo liberar R$ 1,5 bilhão, na véspera e no dia da votação da “reforma”, em emendas parlamentares, prosseguindo o “toma lá, dá cá”.

Leia também: ‘Reforma da Previdência’ será estopim da revolta

Tal "reforma", além de esmagar o povo e dificultar ainda mais o acesso à aposentadoria, mantém os privilégios do latifúndio (agronegócio) através de renúncias fiscais e perdão das dívidas com a Previdência. Como já de praxe, não serão cobradas contribuições previdenciárias sobre as exportações do latifúndio – grandes proprietários de terras que não geram quantidade significativa de empregos e que tampouco produzem para o mercado nacional.

A reforma aprovada no Congresso e que está tramitando no Senado abre brechas para perdoar a dívida dos latifundiários com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), cujo valor ultrapassa R$ 17 bilhões, enquanto arrocha a renda dos mais pobres.

Durante o regime militar fascista de 1964-1985, última experiência amargada pelo povo brasileiro semelhante à propugnada pelo grupo de Bolsonaro, vários direitos das massas populares foram pisoteados, comprovando ser uma ditadura a serviço da grande burguesia, do latifúndio e do imperialismo.

Dentre os direitos, os generais fixaram o pagamento do 13º salário através de parcelas e não mais de uma única vez. Em 1966, o regime enquadrou na Lei de Segurança Nacional todo movimento grevista entre funcionários públicos ou qualquer movimento de trabalhadores contra o governo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja