RJ: Moradores do Chapadão protestam contra operações de guerra da PM

A- A A+

Kauê Ribeiro dos Santos (à direita), de 12 anos, assassinado durante operação da PM. Foto: Reprodução

Moradores do Complexo do Chapadão, zona norte do Rio de Janeiro, realizaram, no dia 10 de setembro, uma importante manifestação em repúdio ao ataques promovidos pelo 41° Batalhão da Polícia Militar (PM) contra a população. Em especial, a manifestação rechaçou o assassinato de Kauê Ribeiro dos Santos, de 12 anos, além de torturas e estupros em moradores promovidos por PMs na região.

O ato foi marcado por denúncias feitas pelos moradores, que passaram de casa em casa convocando a todos para se unirem ao ato, que fechou uma das principais vias de acesso à comunidade. Policiais do 41° Batalhão, fortemente armados, imediatamente se dirigiram à manifestação, com cerca de quatro viaturas, ameaçando enviar um “caveirão” para dentro da comunidade caso o ato não cessasse.

Manifestantes, principalmente mulheres, não obedeceram às ordens dos policiais e entoaram palavras de ordem: Não acabou! Tem que acabar! Eu quero o fim da Polícia Militar!, Witzel assassino!, Chega de chacina, polícia assassina! e outras, a que os policiais revidaram com empurrões e outras agressões. 

Uma moradora chegou a denunciar a truculência dos policiais para com os estudantes, principalmente as crianças. Segundo ela, toda semana a polícia chega com o “caveirão” às 7h da manhã na porta da escola para amedrontar a população. 

Cartazes e faixas com os dizeres Witzel assassino e terrorista! e Rebelar-se é justo! foram erguidos durante a manifestação, que contou com a presença de familiares de Kauê e de movimentos populares. 

O 41º Batalhão é popularmente conhecido pela extrema violência empregada contra moradores durante as operações de guerra na região. 

Mais uma criança morta na conta de Witzel

Kauê, cujo assassinato revoltou profundamente os moradores do Chapadão, foi atingido na cabeça por policiais do 41° Batalhão da PM, no dia 7 de setembro, durante uma operação supostamente destinada a combater o roubo de cargas na região. Kauê vendia balas por conta própria para ajudar na renda familiar, que vive em condições precárias, e tentou fugir do tiroteio. 

A polícia afirma que Kauê estaria envolvido com o descarregamento de um caminhão junto dos supostos assaltantes. Afirma, ainda, que prestou socorro aos feridos após o confronto. 

Testemunhas, no entanto, disseram que Kauê estava passando pelo local da operação após vender balas e que, após ter sido assassinado por volta de 20h por policiais militares, seu corpo foi jogado dentro do camburão junto dos outros quatro feridos. A família denuncia o descaso do velho Estado, já que o menino só deu entrada no Hospital Carlos Chagas, na Penha, às 10h da manhã de domingo, já sem vida. 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja