Argentinos protestam contra a fome e sofrem repressão da polícia

A- A A+

Foto: telesurtv.net

Movimentos populares e ativistas argentinos vêm protestado em Buenos Aires, desde o dia 8 de setembro, por políticas de combate à fome, que tem assolado o país. Os manifestantes estão reagindo contra a dura repressão policial, até mesmo lutando corpo-a-corpo com os agentes. Quatro manifestantes se encontram detidos.

Os manifestantes estão desde o dia 9 acampados na frente do edifício de Desenvolvimento Social, realizando diversos protestos e “panelas populares”, ação de cozinha comunitária com o objetivo de fornecer alimento à população.

As medidas do governo de Mauricio Macri têm sido repudiadas pela grande maioria da população, e ela exige, através dos protestos, que seja aprovado o projeto de lei de emergência alimentar, que pretende aumentar os salários e investimento em “programas sociais”, a fim de combater a grave fome a qual as massas estão submetidas em meio à crise.

Essas manifestações vêm sofrendo forte repressão policial. No dia 11 de setembro, a polícia atacou brutalmente o protesto enquanto os ativistas tentavam atravessar a avenida 9 de Julho, no centro de Buenos Aires. Quatro manifestantes foram detidos e bombas de gás lacrimogêneo foram usadas contra as massas. 

Os protestos respondem a crise profunda no país

O governo do reacionário Macri é responsável por uma das piores crises que o país já enfrentou nos últimos tempos. 

De acordo com o último relatório publicado pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos, 32% da população argentina vive abaixo da linha da pobreza. Levando em conta que esses números dizem respeito ao quarto trimestre de 2018, supõe-se que ele tenha aumentado ainda mais.

Além disso, a inflação nos últimos 12 meses foi de 54.4%, influenciando na alta do preço dos alimentos, enquanto o salário complementar social para trabalhadores precários se mantém em 7,5 mil pesos (equivalente a 133 dólares, aproximadamente R$ 530), sendo insuficiente para suprir as necessidades mais básicas do povo, como a alimentação.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza