Manifestação no Centro do Rio exige justiça para Hanry Silva

A- A A+

Foto: A Nova Democracia

Na manhã de 16 de setembro, um grupo de mães e familiares de vítimas da violência do Estado se reuniu em frente ao Tribunal de Justiça (TJ), no centro do Rio de Janeiro, em manifestação por justiça para Hanry Silva Gomes da Siqueira, assassinado em 2002, aos 16 anos, no Morro do Gambá, no Lins, zona norte do Rio de Janeiro.

Dois policiais militares chegaram a ser condenados no ano de 2008. Foram eles Marcos Alves da Silva (por fraude processual e homicídio) e Paulo Roberto Paschuini (por fraude processual). Paschuini recorreu e conseguiu um novo julgamento. Em 2012, ele foi condenado novamente, desta vez também por homicídio. Porém agora, em 2019, a decisão acabou cancelada por “quebra de incomunicabilidade entre os jurados durante o julgamento”.

O caso de Hanry Silva ficou marcado pela corajosa atuação de sua mãe, Márcia Jacintho, que durante esse tempo todo vem lutando por justiça para seu filho e para provar a inocência do rapaz, além de desmascarar a versão policial que é apresentada como os famigerados "auto de resistência".

A luta continua

Márcia Jacintho, dezessete anos depois da brutalidade policial contra sua família, estava na manhã do dia 16/09 em frente ao TJ com o megafone na mão fazendo um caloroso discurso para as pessoas que passavam pelo local. A manifestação ocorreu nesta data, pois, na parte da tarde, ocorreu o juri do policial acusado de assassinar Hanry.

Além de Márcia, outros familiares de jovens assassinados covardemente pelos aparatos repressivos do velho Estado marcaram presença. Em todas as falas no megafone, as mães fizeram uma contendente denúncia do genocídio da juventude pobre e preta e em rechaço aos governos de Witzel e Bolsonaro, que vêm aumentando o massacre nas favelas e bairros pobres do Rio de Janeiro e do Brasil. Para justificar este genocídio, eles usam o falso pretexto de "combate ao crime e ao tráfico".

Foto: A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira