‘Pode andar armado, mas não tem apoio para produzir’: camponeses criticam decreto de Bolsonaro

A- A A+

Pequenos produtores rurais e camponeses estão criticando o decreto do governo de Bolsonaro e dos generais, que torna lei a posse de arma em toda a extensão da propriedade rural desde a segunda quinzena de setembro.

"Eu tô achando que é bem capaz desse presidente alterar a lei e fornecer ao produtor rural as munições. Mas a nossa preocupação é: como é que vai ser para ele [produtor] receber o fornecimento de mudas de café, de cacau, semente de feijão, de milho, porque todos os programas pra ajudar nesse ponto aí foram cortados, tanto do governo federal como estadual e municipais. O produtor não tem mais assistência da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater), assistência técnica, financiamento para produtor rural, o Programa de Aquisição de Alimentos, o incentivo à apicultura, piscicultura, não tem nada. E os projetos que existiam em benefício à agricultura familiar foram cortados", critica um pequeno produtor, em áudio enviado à redação de AND.

A falta de incentivo ao incremento da produção, como a entrega de mudas e sementes, é um dos problemas mais sentidos dos camponeses em Rondônia, devido ao abandono da Secretaria de Estado de Agricultura para com os pequenos produtores.

“Ô doutor, agora o produtor rural vai poder andar armado nos quatro cantos da propriedade dele, mas ele não vai poder andar com uma foice, que é crime, não pode andar com motosserra -- se for pego ele está danado --, não pode colocar um trator pra fazer construção, para fazer um bebedouro para o gado, porque é crime!”, disse um camponês, hiperbolicamente, referindo-se à rigorosíssima fiscalização dos órgãos ambientais que cai principalmente em cima dos camponeses pobres com pouca terra. E ele prossegue: “Agora eu não sei como ele [camponês] vai fazer pra se manter. Vai ficar armado, mas trabalhar e produzir ele não está podendo”, critica outro camponês.

O decreto, bandeira de campanha de Bolsonaro, visa armar ainda mais os latifundiários (grandes fazendeiros) e seus grupos armados para aumentar ainda mais a sua guerra contra os camponeses pobres. Com propriedades do tamanho de cidades inteiras, os latifundiários e seus bandos terão praticamente o direito a portar arma.

Foto: Reprodução

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja