Mais protestos nas favelas! Moradores do Complexo do Alemão rebelam-se contra genocídio

A- A A+


Foto: Raull Santiago

Nesta manhã, 21 de setembro, o Complexo do Alemão amanheceu em protesto contra os atos terroristas e perversos do governador Wilson Witzel e sua Polícia Militar (PM), que levaram à morte a criança Ágatha Félix, de apenas 8 anos, que foi alvejada nas costas, segundo moradores, por um policial militar, enquanto voltava para sua casa com a avó, numa kombi.

O ato fechou a estrada do Itararé, uma das principais vias de acesso ao Complexo do Alemão, e contou com a presença de 300 pessoas. Mototaxistas, familiares dos assassinados durante a semana em outras operações e movimento populares, como as Mães de Manguinhos, incorporaram ao ato em solidariedade à família de Ágatha Félix e de Wellens dos Santos (mototaxista brutalmente assassinado pela polícia na mesma semana). Manifestantes foram seguidos por viaturas ao longo de todo o protesto.

A assessoria da PM do Rio de Janeiro, numa tentativa de isentar-se de culpa, lançou uma nota dizendo que Ágatha foi morta no momento que supostos “traficantes” teriam atacado policiais da UPP. Os moradores desmentem os ataques e repudiam as mentiras e ataques contra o povo feitos pela PM, a mando de Witzel. 

O ato foi marcado pela denúncia dos moradores do Complexo aos ataques genocidas promovidos por Witzel, que acontecem diariamente, principalmente contra a juventude preta e favelada. Um morador chegou a denunciar: “Nós estamos indignados. Esse governo só entra aqui para poder matar. Não adianta investir em ‘caveirão’ se a educação está precária. Não adianta investir em helicóptero se a saúde está ruim. Eu repúdio a covardia da Secretaria da PM!”. 

Guerra contra o povo está declarada

A política de extermínio de Witzel deixou mais de 1.249 mortos, no estado do Rio, desde o início de seu mandato, em especial na capital carioca. A política de guerra promovida pela PM e pelos governos tem causado grandes chacinas nas favelas da cidade e atiçam a revolta popular, em repúdio a todos os assassinatos de inocentes que vêm acontecendo. O porta-voz da PM, o capacho Mauro Fliess, afirma que a corporação não irá recuar e que o governo do estado “está no caminho certo”. Afirma ainda que não há nenhum indicativo de que a polícia teria participado do covarde assassinato de Ágatha, versão desmentida por moradores.

Tal política genocida está em marcha há anos, em processo de escalada. De 1998 a 2018, a tendência de crescimento da “letalidade policial” é reveladora: em 1998, a letalidade era de 2,8 por 100 mil habitantes, enquanto que, em 2018, atingiu 9 por 100 mil habitantes. Se em 1998 morreram pelas mãos de policiais, oficialmente, 397 pessoas, em 2018 o número foi para 1.534 pessoas. E agora, com a política de extermínio de Witzel, o número de mortos, em menos de um ano de mandato, é quase o total de mortes ocorridas em 2018.

No atual governo, de Wilson Witzel, imediatamente posterior à intervenção militar no estado, a política, que antes movia-se camufladamente, tornou-se escancarada. Só em julho deste ano, morreram em intervenções policiais 194 pessoas. Em apenas um mês.

Segundo temos analisado em AND, As razões dessa guerra civil reacionária levada a cabo contra as massas é, dentre outras: 1) resultado do nível crescente de miséria e desemprego no estado, problema cuja única solução que o velho Estado e seus governos podem oferecer é mais repressão e assassinatos, uma vez que a economia nacional assenta-se em um capitalismo burocrático só passível de ser transformado via revolução.  E, 2) a reação planeja concentrar as regiões hoje controladas por grupos delinquentes e do tráfico varejista de drogas (antigamente apoiados pelos sucessivos governos) em grupos paramilitares, conhecidos vulgarmente como “milícias”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza