Mobilização garante salários de trabalhadores terceirizados na UFPR

A- A A+

Trabalhadores terceirizados da manutenção da Universidade Federal do Paraná (UFPR) realizaram, conjuntamente com estudantes, um piquete em frente à Casa de Maquinas do campus Politécnico, local do ponto das equipes, há quase duas semanas, no último dia 11 de setembro. Na ocasião, os trabalhadores estavam sem receber seus salários e vale transporte há quase uma semana. Muitos tiveram contas atrasadas, luz cortada e estavam com dificuldades de se deslocar ao trabalho e mesmo de se alimentar. Os terceirizados recorreram, então, à ajuda de estudantes para conseguir cobrar a empresa, visto que a perseguição politica sobre eles, quando há mobilizações, resulta quase sempre em demissões e cortes.

Com a ajuda dos estudantes, que formaram um cordão em frente ao portão de entrada, os terceirizados impediram que fosse batido o ponto e atrasaram o início de suas atividades até que lhes fosse pago o que era devido. Não demorou uma hora para que os responsáveis da UFPR e da empresa RCS, que opera na universidade a cerca de três messes, aparecessem. A primeira desculpa dada foi de que a empresa estava com pouco caixa devido a falta de pagamentos de outros órgãos públicos onde opera, mesmo que a UFPR tenha pago em dia. Passaram depois a tentar coagir os estudantes tirando fotos e dizendo que os trabalhadores receberiam multas pelo piquete. Não tiveram sucesso.

Os trabalhadores se negaram a retomar o trabalho até que fosse depositado o pagamento, o que aconteceu depois de quatro horas e meia de piquete. Regozijantes com a vitória, os trabalhadores e estudantes comemoraram. Em suas falas deixaram claro que a vitória só foi possível com a luta conjunta de ambas as categorias e que o atraso em seu salário era consequência da politica tanto da empresa quanto do Estado, que constantemente sucateia e ataca seus direitos fundamentais. Os estudantes ainda afirmaram que se houvesse qualquer tipo de demissão, corte de salário ou multa em decorrência da mobilização, eles voltariam em maior número e fariam a empresa se arrepender.

“Hoje viemos aqui exigir o mínimo apenas, só aquilo que já foi acordado, o salário, sem o qual não temos como viver. Amanhã iremos exigir o aumento [o salário atual é de 1.104 em média], a insalubridade [auxílio que não recebem embora tenham direito], a possibilidade de todos comerem no Restaurante Universitário e muito mais. Juntos podemos conquistar todas as nossas pautas”, disse um estudante.

Foto: Reprodução

 

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja