Argentina declara emergência alimentar até 2022

A- A A+

Foto: AFP

Argentina está, por lei, em emergência alimentar até 2022. A lei aumenta em 50% os fundos que o velho Estado destina aos restaurantes populares. Ela foi aprovada no dia 18 de setembro, em meio ao agravamento da pobreza, em um quadro de elevada inflação e crescente tensão social com grandes protestos nas ruas, pouco mais de um mês antes das eleições gerais de outubro.

Com a inflação em 54,5%, o desemprego em 10,6% e 32% da população abaixo da linha da pobreza, a lei de emergência alimentar se fez necessária para “apaziguar” os milhares de argentinos que protestavam incansavelmente contra a crise.

A intenção era tirar a fome da agenda pública e desmobilizar as massas que estão nas ruas há semanas, exigindo mais recursos para as cantinas populares. A necessidade de uma campanha eleitoral sem manifestações populares convenceu todas as forças políticas do Congresso, que rapidamente aprovaram a lei. 

O povo míngua, os monopólios enriquecem

Quando a economia argentina havia começado a tomar os rumos da crise atual, em 2018, dados daquele ano mostram que, não só os lucros exorbitantes dos bancos e das multinacionais continuaram apesar da crise, mas também como eles só se mantiveram.

O portal argentino iProfesional, em uma matéria chamada Os ganhadores da era Macri, mostra que foram três os setores mais beneficiados com o governo de turno vende-pátria e anti-povo de Macri: petrolífero, bancário e energético.

Enquanto, ao final de 2018 e início de 2019, a inflação chegava à 47,6% e o PIB havia contraído 2,5%, a Bolsa de Comércio de Buenos Aires mostrou que 40 empresas e bancos haviam aumentado seus lucros durante o ano de 2018, em relação ao de 2017. 

As empresas e entidades do setor bancário que foram rentáveis no ano de 2018 acumularam um lucro total de 253 milhões de dólares, enquanto as que sofreram com a crise registraram perdas de 27 milhões.

Os setores, dos três, que alcançaram o melhor desempenho estão ligados à energia e às finanças, e totalizam 80,04 bilhões de dólares em lucros.

A YPF, maior empresa de hidrocarbonetos do país, conseguiu no ano passado aumentar seus lucros em 204% em relação a 2017, fechando seu balanço patrimonial com rentabilidade de 38,6 bilhões de dólares. A principal razão pelo crescimento do monopólio está ligada a aumentos constantes dos preços dos combustíveis, que terminaram em 2018 com um aumento de pouco mais de 70%.

Isso mostra que o setor mais robusto dos grandes capitalistas se tornam ainda maiores durante as crises, pois eles se apoderam dos capitais mais fracos, concentram e incorporam-os. Além de lucrarem diretamente com o custo de vida mais elevado (como o exemplo da gasolina), os monopólios lucram ainda com a crescente retirada de direitos e demissões em massa dos trabalhadores.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja