RJ: Moradores do Complexo do Alemão realizam protesto em velório de Ágatha Félix

A- A A+
Foto: Carl de Souza/ AFP

No dia 22 de setembro, moradores do Complexo do Alemão decidiram, em denúncia ao genocídio promovido pelo governador Wilson Witzel, realizar um ato em repúdio ao brutal assassinato de Ágatha Félix, de 8 anos, em seu velório. O protesto, que contou com a presença de mais de 500 pessoas, partiu da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Estrada do Itararé, no Complexo do Alemão, até o cemitério de Inhaúma, na zona norte do Rio de Janeiro. 

A polícia foi duramente rechaçada por todos os presentes, que chegaram a chutar e bater em uma viatura da UPP que passava pelo ato. Um pai (que teve seu filho assassinado por policiais no Complexo do Alemão) denunciou todos os ataques à população das favelas promovidos pela política fascista de extermínio de Wilson Witzel. Os manifestantes gritaram palavras de ordem como “Chega de chacina, polícia assassina”, “Witzel assassino”, “Quero o fim da UPP” e “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da polícia militar” e movimentos populares da região ergueram faixas com os dizeres "Witzel assassino e terrorista!" e "PM assassina!"

Ler também: Mais protestos nas favelas! Moradores do Complexo do Alemão rebelam-se contra genocídio

O avô da menina, Aílton Félix, indignado, contesta e desmente a versão da polícia de que Ágatha morreu em um confronto e afirma: “Mais um na estatística. Vai chegar amanhã e dizer que morreu uma criança no confronto. Que confronto? Confronto com quem? Porque não tinha ninguém, não tinha ninguém. Ele atirou por atirar na Kombi. Atirou na Kombi e matou minha neta. Isso é confronto? A minha neta estava armada por acaso para poder levar um tiro?”. Um rapaz, revoltado com a presença ostensiva  de policiais militares no velório de Ágatha, denunciou a covardia feita pela polícia com os moradores da favela: “Vocês deram dois tiros em uma criança! Vocês são bandidos de farda! Só entram lá pra matar trabalhador!”. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza