Olavo e ‘Carluxo’, os ventríloquos do fascismo

A- A A+

Artigo do professor Fausto Arruda, diretor geral do jornal A Nova Democracia, que será publicado na página 3 da edição nº 227 (2ª quinzena de setembro e 1ª de outubro de 2019), que estará disponível na internet e nas bancas de todo o Brasil ainda esta semana.


Conhecido como o “zero dois” por Bolsonaro, Carlos Bolsonaro (o “Carluxo”) deveria ser o “zero um”, por ser ele o preferido do pai, o qual é agradecido por haver criado-lhe condições para alcançar o mandato de presidente da república. 

Recentemente, o “zero dois” afirmou que “por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá”, sugerindo ainda que o governo atual, de seu pai, está atado ao Alto Comando das Forças Armadas: “Os que sempre dominaram seguem nos dominando de jeitos diferentes”. Essas afirmações só são dele na qualidade de ventríloquo de seu pai, o fascista Jair Bolsonaro, que já não pode dizer abertamente tudo que pensa pela posição que ocupa.

De certo modo, o grupo de Bolsonaro tem razão: não que os fascistas possam dar solução aos problemas do país (longe disso, o que propõem só agravará todas as desgraças para as massas e a Nação), mas sim, de fato, o governo está em outras mãos.

Ademais, quais seriam os atributos de Carlos? Não existem outros além da vasta verborragia chula utilizada para desqualificar seus detratores, cujos alvos preferenciais são a imprensa dos monopólios, os generais e quem mais se interponha no caminho de Jair Bolsonaro, cujo plano é virar a mesa para implantar um regime fascista no Brasil.

Carlos já sugeriu até mesmo que a guarda oferecida pelo Gabinete de Segurança Institucional, do general Augusto Heleno, está comprometida contra seu pai. No 7 de setembro, em um ato simbólico, como aquele que busca defender o pai, sentou-se no banco de trás do automóvel presidencial e, em seguida, montou uma parafernalha de vídeos para monitorar o procedimento dos médicos durante a cirurgia do presidente fascista. Recentemente, pediu inclusive licença da Câmara de Vereadores do Rio para exercer a atividade de guarda-costas do pai.

Carlos é reconhecido pelo pai como detentor de “profundos” conhecimentos em redes sociais, capaz de eleger um presidente da república. Também como quem é capaz de usá-las para manipular as consciências de milhões de brasileiros através de “fakes” ou mentiras disparadas em massa por um verdadeiro exército de repassadores treinados para afirmar e reafirmar as maiores idiotices e vulgaridades extraídas da lata de lixo da humanidade. E serve à causa muito bem, causando confusão com finalidade de naturalizar o caos num ambiente propício à implantação do fascismo.

Mas ele não é nada mais de que um sabujo da trupe de reacionários de uma extrema-direita mundial, que só vê o futuro pelo retrovisor da história, que desdenha dos avanços que a humanidade obteve com muito derramamento de sangue, como foi a derrota imposta sobre as hordas nazifascistas. 

O que Jair Bolsonaro e seus rebentos almejam é levar adiante, no sentido da corporativização, o golpe militar para prevenir o levante das massas, golpe que inexoravelmente se chocará com a Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista que de forma represada vem se gestando há mais de século e que, apesar de a reação sempre ter desmantelado-a a ferro, fogo e sangue, nunca logrou afogá-la. A Revolução persiste e se levantará, novamente, com muito mais força, consciência e certeza de seu triunfo.

O núcleo duro da extrema-direita (Bolsonaro, seus filhos, chefes de igrejas neopentecostais, guiados pelo anticomunista fanático Olavo de Carvalho), observando um turvo caminho que as classes dominantes terão que percorrer para impulsionar o capitalismo burocrático (caminho perigoso, pois para tanto é necessário espoliar e massacrar as massas populares já revoltadas) tem uma percepção de que o único caminho de prevenção à rebelião das massas – a única forma de abortar o perigo de revolução – é a instalação de um regime militarista corporativista para embaucar as massas, com base no anticomunismo hidrofóbico. Com isso, criar caldo de cultura que justifique o terror desenfreado contra as organizações democráticas e populares – no terror e repressão, a propósito, tal núcleo e os generais direitistas convergem como ninguém.

Para aplicar tal plano, a retórica da extrema-direita é a de que “tudo o que está aí” é obra dos comunistas (vejam só!), que, segundo sentenciam os delírios olavistas, estariam infiltrados nas instituições, difundindo o “marxismo cultural” que domina a imprensa e a universidade. Por isso, em sua posse, Bolsonaro disse que o “problema ideológico” era pior que a corrupção. Para justificar sua obstinação pelo regime militar fascista para “salvar o país do comunismo”, a extrema-direita acusa a todos que passaram pelo governo pós-regime militar, com exceção de Sarney e Collor, por tal “crime”. Notórios direitistas anticomunistas (como o próprio general Villas-Bôas) tornam-se, da noite para o dia, “comunistas” de carteirinha para os bolsonaristas mais fanáticos.

O governo de fato do ACFA restringe o grupo de Bolsonaro, pois tem plena consciência do quão desastroso para a contrarrevolução seria neste momento a imposição de um regime militar, que só faria levantar uma ampla frente de resistência na sociedade, uma onda de total repúdio às Forças Armadas e aos militares. No campo da contrarrevolução, para a extrema-direita, como disse o guru bolsonarista Olavo de Carvalho, “a única saída é o presidente apoiar-se no povo que o ama”, disse, referindo-se às massas iludidas e, apoiando-se nessa massa, criar uma “militância bolsonarista” ativa para “impor sua autoridade por igual a civis e militares”. Aí ele refere-se, é claro, à necessidade de uma corporativização fascista da sociedade. E ele foi mais longe: “Ou isso, ou já estamos numa atmosfera de golpe não declarado”.

A realidade é que, tanto a extrema-direita e seu projeto de “revolução” fascista quanto os generais direitistas e seu projeto de velha “democracia” bonapartista lançarão mão de uma superexploração inaudita das massas de nosso povo. Bolsonaro, buscando ganhar apoio de mais setores do imperialismo ianque, predica converter o Brasil num protetorado ianque, entregar os recursos naturais e minerais e a produção agrícola.

Nessa situação, às massas, açoitadas que serão como sempre têm sido, só restará combater por seus minguados direitos até encontrar o luminoso caminho de sua libertação. O Novo só pode surgir em nosso país através da liquidação de toda essa estrutura: a base semifeudal e condição semicolonial embrulhadas em modernidade e tecnologia de ponta, liquidação que virá quando o poder popular de Nova Democracia se impor e a soberania nacional falar mais alto. O Novo Estado revolucionário, uma nova economia e nova cultura materializados na liquidação do latifúndio pela distribuição de terras aos camponeses sem terra ou com pouca terra, na nacionalização dos setores estratégicos da economia e no confisco de todo o grande capital estrangeiro e local para serem aplicados em prol do progresso do povo e da Nação.

Que o território nacional seja povoado por pequenos produtores organizados em cooperativas com assistência técnica efetiva, garantida pelo Novo Estado, em acelerada mecanização e coletivização da produção voltada à alimentação da população e abastecimento de matérias-primas para o salto da industrialização completa do país, voltada principalmente à satisfação da Nação e à cooperação e solidariedade aos povos e nações também em luta por sua libertação do jugo imperialista.

Só a Grande Revolução Democrática fará nascer o Brasil Novo!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja