Colômbia: Estudantes se revoltam contra abuso policial e corrupção na universidade

A- A A+

Estudantes e policiais em enfrentamento, em Bogotá, no dia 26 de setembro de 2019. Foto: Juan Barreto/ AFP

Em Bogotá, capital da Colômbia, no dia 27 de setembro, cerca de cinco mil estudantes de mais de dez universidades colombianas participaram de um protesto combativo contra o abuso policial e a corrupção dentro das universidades, em mais um dia de manifestações.

Durante o protesto, 200 estudantes ocuparam a reitoria Universidade Distrital, onde se desenvolveu os escândalos de corrupção entre o reitor e o ex-diretor do Instituto de Extensão. Os estudantes, rebelados contra o desvio de verbas da universidade para o financiamento de jóias, hotéis de luxo, prostíbulos e outras coisas por parte dos gerentes da instituição, jogaram pedras e coquetéis molotov no prédio do Instituto de Extensão.

Desde o dia 17, os estudantes da Universidade Distrital realizam protestos após a rede milionária de irregularidades administrativas ser exposta. Os jovens, agora, também reivindicam como pauta das manifestações o rechaço à brutalidade policial, após os confrontos entre as forças repressivas e estudantes nas manifestações.

No dia 18, a tropa de choque jogou gás lacrimogêneo e bombas contra os manifestantes, que caíram perto das instalações do Hospital San Ignacio, que faz parte da universidade privada Javeriana. No dia 19, um grupo de estudantes da universidade de Javeriana organizou um comício contra o uso excessivo da força por parte das "autoridades". Nesse mesmo dia ocorreram também manifestações na Universidade Pedagógica.

Gradualmente, estudantes de outras universidades como Piloto, Católica, Sergio Arboleda e Universidad de Los Andes juntaram-se aos protestos, se colocando ao lado dos estudantes da Universidade Distrital, e dos que haviam sido reprimidos pela polícia.

A rebelião se justifica

No início de agosto, a Procuradoria-Geral da República da Colômbia citou Muñoz Prieto por sua suposta conexão com irregularidades no manejo de mais de 10,4 milhões de pesos (quase 3 milhões de dólares).

De acordo com a Procuradoria Geral da República, Muñoz Prieto desviou recursos públicos da instituição que dirigia para uma conta em nome da Universidade Distrital, que foi usada em seu benefício. Muñoz é acusado de passar 333 cheques a seu favor e usado um cartão de crédito com sua assinatura e a dos ex-presidentes Inocêncio Bahamón e Boris Bustamante, que também poderiam ser investigados.

O ex-funcionário da universidade teria pago com esses recursos veículos de luxo, equipamentos eletrônicos, acomodações em hotéis, contas de restaurantes, jóias, roupas e viagens, assim como festas e prostíbulos. Muñoz teria também apontado ao atual reitor da Universidade Distrital, que participou de alguns dos crimes pelos quais está sendo investigado.

Nessa rede de tráfico de influências com o dinheiro do povo, Muñoz incluiu em sua delação o representante dos graduados perante o Conselho Superior da Universidade, Carlos Fajardo; a Prefeitura de Bucaramanga; o ex-reitor imediato, Carlos Mosquera; e funcionários do Fundo Financeiro para Projetos de Desenvolvimento (Fonade) e do Serviço Nacional de Aprendizagem (Sena).

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja