'O povo chinês colocou-se de pé!': 70 anos da gloriosa revolução

A- A A+


Mao Tsetung na fundação da República Popular da China, em 1949

Adaptação de texto publicado no jornal A Nova Democracia nº 197 (1ª quinzena de outubro de 2017). 

Há 70 anos, em 1º de outubro de 1949, milhões de pessoas se concentraram em Pequim, em frente ao antigo Palácio Imperial, e ouviram o discurso de fundação da República Popular da China pronunciado pelo Presidente Mao Tsetung, que anunciou:  “O povo chinês colocou-se de pé!”. As boas novas foram transmitidas para o mundo por meio da Rádio Pequim e encheu de entusiasmo os comunistas que combatiam (e combatem) o imperialismo e toda a reação mundial.

Sob a direção de Mao Tsetung, o Partido Comunista da China (PCCh) organizou o Exército Popular de Libertação que, após décadas de duros e gloriosos combates, varreu a semifeudalidade e o capitalismo burocrático vigentes no país, culminando a Revolução de Nova Democracia e dando início a nova fase da Revolução, a da construção socialista. Os camponeses e operários derrubavam a opressão a que eram submetidos e anunciavam para o proletariado internacional a proclamação da Nova China.


Guerra contra a ocupação japonesa

Foi por meio da Guerra Popular Prolongada, sustentada pela Frente Única Revolucionária e dirigida pelo proletariado, por meio de seu Partido Comunista, que o povo chinês começou a edificar o Poder de Nova Democracia. A ditadura conjunta das classes revolucionárias inicialmente foi exercida nas áreas libertadas do país e culminada com a tomada do Poder em todo o território nacional e a proclamação da República Popular, em 1949, passando à construção e revolução socialistas.

As massas do povo chinês, durante 27 anos, alcançaram êxitos extraordinários na construção do socialismo, passando pela Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP), o maior movimento revolucionário de massas da história. Foi com a morte do Presidente Mao Tsetung, em 1976, que os revisionistas (sob a liderança de Teng Siaoping) deram o golpe e tomaram de assalto a direção do PCCh, dando início à restauração do capitalismo no país.


Parada militar na praça Tiananmen, em Pequim, 1969


Confira o artigo Viva os 60 anos da Revolução Chinesa, de José Ricardo Prieto, publicado no jornal A Nova Democracia nº 59, em novembro de 2009.


Cronologia da Revolução Chinesa

Trechos de artigo publicado no jornal A Nova Democracia nº 58, em outubro de 2009.

Revolução democrática

1921 - Fundação do Partido Comunista da China, 1° de julho.

1924 - Primeira guerra civil revolucionária. Frente única: Partido Comunista da China (PCCh) e Kuomintang.

1926 - Expedição ao Norte do Exército revolucionário.

1927 - Segunda Guerra Civil Revolucionária. O Presidente Mao dirige o Levantamento da Colheita de Outono e cria nas montanhas Chingkang a primeira Base de Apoio Revolucionária.


Foto tirada durante a Longa Marcha

1931 - A Longa Marcha do Exército Vermelho.

1934 - Reunião de Tsunyi, o PCCh estabeleceu uma direção encabeçada pelo Presidente Mao.

1937 - Guerra de Resistência Contra o Japão. Frente Única: PCCh e Kuomintang.

1945 - Terceira Guerra Civil Revolucionária contra o Kuomintang.

1949 - 1° de outubro: Proclamada a fundação da Republica Popular da China.


Hu Yahan, 1946, durante a 3ª Guerra Civil Revolucionária contra o Kuomitang

Revolução socialista: Continuação da revolução sob a ditadura do proletariado

1950 - Promulgada a lei de Reforma Agrária. Confisca-se toda a terra dos latifundiários feudais e todo o capital burocrático.

1952 - Guerra de Resistência contra a agressão ianque e de ajuda à Coreia.

1955 - Auge da cooperativização agrícola.

1956 - VIII Congresso do PCCh. A direita avança. Liu Shao-chi promove a liberalização burguesa estimulado pelo desborde revisionista no XX congresso do PCUS.

1957 - O Presidente Mao esclarece a luta de classes no socialismo em sua obra Sobre o tratamento correto das contradições no seio do povo.

1958 - O Presidente Mao estabelece: "Tencionar todas as forças e lutar por marchar sempre adiante para construir o socialismo segundo o princípio de quantidade, rapidez, qualidade e economia" e impulsiona as três bandeiras vermelhas: Linha Geral, Grande Salto Adiante e a Comuna Popular.


O jovem Mao discursa para as massas na província de Henan

1959 - Abril: Despojam Mao da Presidência da República, assume Liu Shao-chi. Agosto: VIII Seção Plenária do CC. Mao inicia a retomada do poder. A esquerda toma posições no Exército Popular de Libertação (EPL).

1960 - Três anos de dificuldades econômicas devido às calamidades naturais. Julho: os revisionistas soviéticos rompem todos os contratos econômicos e retiram subitamente seus técnicos na China.

Preparação da Grande Revolução Cultural Proletária

1962 - Janeiro: O Presidente Mao previne "surgimento do revisionismo no CC". Setembro: X Seção Plenária. O Presidente Mao estabelece a linha fundamental para a etapa do socialismo: "A sociedade socialista cobre uma etapa histórica bastante longa. Durante a etapa histórica do socialismo, ainda existem classes, contradições de classe e luta de classes: existe a luta entre o caminho socialista e capitalista, e existe o perigo de restauração capitalista. (…) elança a consigna de " não há que esquecer a luta de classes."

Imagem da GRCP

1963 - Junho: o PCCh publica o documento de "25 pontos" na Grande Polêmica contra o revisionismo contemporâneo. Julho: o PCCh estabelece 15 questões sobre conjurar a restauração no documento Acerca do falso comunismo de Kruschov e suas lições históricas para o mundo.

Grande Revolução Cultural Proletária da China

1965 - O Presidente Mao escreve: "Nada é impossível no mundo para quem se atreve a escalar as alturas" em seu poema Retorno às montanhas Chingkang.

1966 - Maio: O CC publica a "Circular de 16 de maio" que assinala o rumo da GRCP. Nela, o Presidente Mao indica: "Os representantes da burguesia que se encontram infiltrados no Partido, no governo e no exército e nos diversos setores culturais, são um grupo de revisionistas contra-revolucionários que tomaram o poder e converteram a ditadura do proletariado em ditadura da burguesia (...)".

Junho: no dia 1° é publicado em todo o país o "primeiro dazibao marxista-leninista" escrito por rebeldes revolucionários da Universidade de Pequim. No dia 6 estudantes secundários pedem ao CC que transforme o sistema de ensino. No dia 13 o CC ordena suspender as aulas por 6 meses para que os estudantes tomem parte na GRCP e para transformar radicalmente o sistema educativo.

Imagem da GRCP

Agosto: no dia 5 o Presidente Mao publica seu dazibao: Canhonear o quartel general.

1967 - A classe operária de Shanghai se levanta contra os dirigentes revisionistas encastelados no Comitê Municipal do Partido. No dia 6 tomam os jornais diários de Shanghai e desde lá desmascaram os dirigentes revisionistas. No dia 9 tomam o Poder na cidade.

1968 - Campanha de crítica e repudio à linha revisionista de Liu Shao-chi.

Culminação da tomada do Poder

Expulsão de Liu Shao-Chi. Sistematização da GRCP.

1968 - Maio: a classe operária assume a direção dos centros docentes. Outubro: a XII Seção Plenária do CC expulsa Liu-Shao-chi do PCCh.

1969 - Abril: o IX Congresso do PCCh sistematiza a GRCP e reconhece o Pensamento Mao Tsetung como o marxismo-leninismo da época atual.

Continuação da Grande Revolução Cultural Proletária

1969 - Abril: Lin Piao em conluio com Chen Po-ta elaboram um rascunho de informe político para o IX Congresso, onde negam que a contradição entre o proletariado e a burguesia é a principal e promovem a teoria das forças produtivas.

1970 - Em agosto, na II Seção Plenária do IX Comité Central, a camarilha antipartido montou um abortado golpe de Estado.

1971 - Esta camarilha desencadeou um golpe de Estado armado contra-revolucionário e tentou assassinar o Presidente Mao.

Guardas vermelhos estudam o Livro Vermelho

1973 - Congresso do PCCh reafirma a linha do Partido e assinalou o aplastamento da camarilha antipartido de Lin Piao. Se inicia uma luta contra Lin Piao e Confucio. A direita, mesmo assim, havia avançado e recuperava posições: neste evento reaparece o sinistro Teng siao-ping.

1975 - Teng Siao-ping, agora vice-Primeiro Ministro, desata uma linha restauracionista nos círculos educacionais, tecnológicos e culturais contra os justos vereditos da GRCP.

Se desata forte luta contra a linha restauracionista direitista

1976 - Abril: incidente contrarrevolucionário de Tien An Men. O CC destitui Tang Siao-Ping. Maio: X aniversário da GRCP. Setembro: morte do Presidente MaoTsetung. Outubro: golpe anticomunista de Hua Kuo-feng.

*Extratos de "Derrotero de la revoluión china" de autoria do Partido Comunista do Peru – PCP, publicado na Revista Sol Rojo nº 29.


Todos os anos, milhões de chineses celebram a memória de Mao Tsetung


Artigos sobre a Revolução Chinesa e a China Revolucionária

120 anos do nascimento do Presidente Mao Tsetung

Crescendo na China revolucionária

O heroico legado do oriente vermelho

65 anos da fundação da República Popular da China

O Leste vermelho do proletariado internacional

Compreendendo os ensinamentos do Presidente Mao

A Medicina na China revolucionária

O extraordinário Dr. Bethune

China: "seremos sempre leais ao Presidente Mao!"

Estado reacionário reprime celebração da memória de Mao Tsetung


Centenas de militantes revolucionários participaram da celebração vermelha pelos 50 anos da GRCP, em 2016, no Rio de Janeiro

Artigos sobre a Grande Revolução Cultural Proletária

50 anos da Grande Revolução Cultural Proletária

Declaração conjunta de partidos e organizações maoistas sobre 50 anos da GRCP

50 anos GRCP – Imortais contribuições do maoismo para a luta de duas linhas no seio do Partido Comunista

O impacto da GRCP entre os comunistas brasileiros

Grandes êxitos da Revolução Cultural

O grande movimento ideológico da GRCP

50 anos da Grande Revolução Cultural Proletária

46 anos do início da Grande Revolução Cultural Proletária

A Grande Revolução Cultural Proletária Brilhará Para Sempre!

Antecedentes da Grande Tempestade

“Não há que esquecer jamais a luta de classes”

Há 51 anos, os ‘16 pontos’ apontavam objetivos da GRCP

O significado dos Guardas Vermelhos

A Grande Revolução Cultural Proletária deve forjar um mundo novo

Estudar os 16 pontos, assimilá-los e aplicá-los

O pensamento de Mao Tsetung gera uma grande força material

A Revolução Cultural chega até as fábricas

A classe operária deve dirigir tudo

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja