Povo equatoriano se levanta em poderosa Greve Geral contra imposições do FMI

A- A A+


Manifestantes enfrentam a polícia em Quito. Foto: Reuters

No dia 3 de outubro se iniciou no Equador uma Grande Greve Nacional, unindo milhares de trabalhadores e estudantes, que, por todo o país, ergueram barricadas e enfrentaram a repressão da polícia em protestos contra os pacotes de medidas impostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e anunciadas pelo presidente Lenín Moreno.

A Greve Geral conta com a mobilização de taxistas, motoristas de ônibus e de caminhões que empreendem bloqueio em ruas e estradas desde o dia 3, na capital Quito e em Guayaquil, na costa do Pacífico. Lenín Moreno anunciou, no mesmo dia, um “estado de exceção”, na tentativa de reprimir a greve. Grupos indígenas, estudantes e trabalhadores se uniram à ação, fazendo barricadas nas estradas com rochas e pneus queimando.


Trabalhadores do transporte e estudantes fazem barricadas nas estradas do Equador. Foto/ Telesur

Em Quito, no dia 3, jovens mascarados enfrentaram a Tropa de Choque da polícia, que atacou os manifestantes com gás lacrimogêneo e utilizou veículos blindados. Até o momento, agências internacionais informam que pelo menos 370 pessoas foram presas durante os protestos.

Esse é o maior levante popular em décadas no país, que tem cerca de 17 milhões de habitantes. Os manifestantes chegaram até a Casa Presidencial, o Palácio de Carondelet, e derrubaram as grades que os separavam do local.

O ‘pacotaço’ de Moreno e FMI

Em meio a essa grande explosão de massas, a Frente de Defesa de Lutas do Povo (FDLP) se pronunciou, dizendo que: “Hoje, Moreno nos empurra o ‘pacotaço’, cuja origem, além do endividamento desproporcional durante regime de Correa (ex-presidente) e no atual, reflete a crise aguda que atravessa o capitalismo burocrático e que hoje, como sempre, a responsabilidade de tentar reverter o déficit fiscal foi endossada às massas, enquanto a grande burguesia e os grandes latifundiários fortalecem seus processos de enriquecimento, acumulação e nível de vida”. Explicando no que consiste as medidas impostas pelo FMI, a FDLP prossegue:

“Eliminação de subsídios aos combustíveis, com o consequente aumento de preço destes; terceirização do trabalho, redução de salários, desconto arbitrário de jornada de trabalho, precariedade do trabalho, redução do ‘tamanho’ do Estado, ou seja, mais desemprego, e um duro golpe no bolso dos trabalhadores”, aponta

Leia também: Indígenas tomam antenas de TV durante Greve Geral que estremeceu o Equador

Sobre os tais “pontos positivos” do “pacotaço”, a FDLP rebate: “O miserável [Lenín Moreno] fala de eliminar tarifas para a maquinaria agroindustrial, porém na maioria do país ainda se produz com junta, com enxada, com pá, materiais feudais; então os beneficiários são basicamente os grandes proprietários agrícolas que podem ser contados nos dedos, enquanto o campesinato pobre será mergulhado em uma maior pauperização em suas condições de vida”.

A FDLP também coloca que está prevista a demissão de mais 10 mil trabalhadores do setor público: “Serão mais pessoas no setor informal ou nas ruas sem trabalho”, sentencia.

Os revolucionários afirmam que, para tentar encobrir a retirada de direitos e demissões, o governo retirou impostos para celulares e tablets, argumentando que se quer um “Equador Digital”.

Concluindo sua análise sobre as medidas econômicas, os revolucionários equatorianos expõem que o entreguismo de Moreno se refletiu no novo crédito com a China, cujo valor é de 1,4 bilhão de dólares por 60 milhões de barris de petróleo equatoriano, e que “é o povo quem terá que pagar, no final, o dobro da dívida com o petróleo”.

Eles recordam também que, para a mineração no país, mais de 160 mil hectares foram concedidas em Imbabura em favor da Hanrine Ecuadorian Exploration and Mining S.A. (monopólio chinês), e diferentes partes das serras do sul estão cedidas a empresas ianques, chinesas e canadenses, além das reservas de petróleo na Amazônia, que foram cedidas a multinacionais.


Confira o vídeo feito pela FDLP sobre a Greve Geral no Equador

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira