Partido Comunista do Peru lança comunicado pelos 27 anos do Discurso do Presidente Gonzalo

A- A A+

O Partido Comunista do Peru (PCP) emitiu, em setembro deste ano, uma declaração por celebração ao 27º aniversário do Discurso do Presidente Gonzalo. A declaração foi publicada na internet e uma versão traduzida pode ser lida no blog Servir ao Povo.

Os maoistas peruanos, que empreendem a tarefa de reorganizar o partido enquanto dirigem a guerra popular prolongada, criticam no documento público aqueles que, outrora revolucionários, se entregaram aos planos contrarrevolucionários do velho Estado peruano, condensados nos “acordos de paz”, tornando-se reacionários.

“Lutamos contra a linha oportunista de direita de capitulação e alistamento, bandeiras negras que estruturaram nas prisões sua 'nova linha', como eles mesmos a chamavam, 'nova linha para uma nova definição, decisão, etc. etc.'. É claro, é uma linha contrária à do PCP”, assinalam.

O PCP também critica a “linha oportunista de esquerda dos anti-maoistas, anti-partido e anti-pensamento gonzalo”, liderada pelo revisionista “José”. “Trata-se de um feudo que afunda-se em negociações e traições dos reacionários”, qualifica o Partido.

Sobre a situação política nacional, os comunistas peruanos reforçam que o processo de maior reacionarização do velho Estado segue em marcha. “O Presidente Gonzalo nos advertiu com clareza meridiana que, quanto maior for o aprofundamento da crise geral da sociedade peruana, principalmente do capitalismo burocrático, maior será a reação e a repressão do velho Estado contra as justas lutas de proletários, mineiros e camponeses principalmente pobres, professores, trabalhadores da saúde, universidade, transportadores, operários, trabalhadores, povos e comunidades indígenas e indígenas etc..”.

Analisando o fechamento do Congresso, ocorrido no início de outubro, o Partido prossegue: “Existe uma centralização absoluta do poder que este governo fascista de Vizcarra vem desenvolvendo, uma centralização para garantir o sonho sinistro, genocida e de rapina principalmente do imperialismo ianque contra o povo peruano. Eles criminalizam as lutas em defesa das liberdades, direitos e conquistas”.


Ilustração em homenagem à Guerra Popular dirigida pelo PCP e ao Presidente Gonzalo

A luta popular, assinalam os comunistas, também cresce: “A classe proletária e as massas em geral assumem uma onda crescente de protestos como uma resposta precisa contra esses afãs reacionários. A defensoria até julho de 2019 relatou mais de 184 lutas de massas, 120 são nacionais, 40 regionais e 17 locais, em torno de temas como mineração, poluição, ensino, reposição, direitos trabalhistas, direitos de greve, salários, condições de trabalho, aumento da superexploração etc.”.

Sobre a guerra popular em marcha no país, o PCP recorda que “a guerra popular que começou nos anos 1980 se agita e se agitará ainda mais, levantando sua fogueira vigorosa para que o heroico povo peruano construa a República Popular de acordo com os princípios da nova democracia e só possa fazê-lo com a direção do partido, o PCP marxista-leninista maoista, pensamento gonzalo. Gerar expectativas com ‘avanço das eleições’, ‘novo congresso’, ‘nova constituição’ ou ‘assembléia constituinte’ serve apenas ao rearranjo e aos interesses obscuros desse velho Estado reacionário. Não serve, nem servirá ao proletariado e ao povo peruanos”.

“É importante ressaltar que a guerra popular iniciada em 17 de maio de 1980 foi precedida de duas décadas por lutas ardentes contra os revisionistas e oportunistas que se opunham à reconstituição do partido de mil maneiras, em vez de serem guiados pelo marxismo-leninismo, pensamento mao tsetung, e se opunham especificamente ao início da luta armada. É a guerra popular desenvolvida em nosso país que demonstrou o sucesso de tais ideias que guiaram o início, foram decisões estratégicas e planos de desenvolvimento que nos forjaram na marcha inexorável da revolução. Somos otimistas e combatemos o pessimismo”, afirma, na declaração. E conclui:

“O partido uma vez mais convoca as organizações e partidos comunistas a constituírem-se ou reconstituírem-se, conforme o caso, ao redor e sujeitos à nossa ideologia todopoderosa, marxismo-leninismo-maoismo, principalmente maoísmo para iniciar e desenvolver guerras populares contra as pretensões imperialistas das guerras mundiais por seus interesses infames. É correto afirmar que há aportes de validez universal do Presidente Gonzalo para a revolução proletária mundial”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja