Equador: Camponeses indígenas capturam 47 militares em protesto contra o governo

A- A A+

No dia 5 de outubro, 47 militares foram capturados e retidos por indígenas nas províncias de Nizag e Imbabura, na região serrana andina equatoriana. Essas capturas se dão num contexto de radicalização dos massivos protestos contra os "pacotaços" de Lenín Moreno, a serviço do FMI.

Leia também: Equador: Nova Grande Greve Geral é convocada para 9 de outubro; assista os vídeos

Os militares foram capturados após a instauração do estado de exceção por parte do governo, tendo sido interceptados enquanto se dirigiam para reprimir os manifestantes que bloquevam a rodovia Pan-Americana Sul. O objetivo dos camponeses era retê-los até que o governo revogue o decreto que acabou com o subsídio estatal para a gasolina e o diesel, porém eles foram encontrados pelas forças da repressão e reintegrados às fileiras policiais.

A Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) afirmou que “os militares que se aproximarem de territórios indígenas serão retidos e submetidos à justiça indígena”. Além disso, afirmou também que essas capturas são respostas à “brutalidade e a falta de consciência da força pública para entender o caráter popular das demandas da greve”.

Leia também: Equador: Temendo marcha indígena, Lenín Moreno mudar a sede do governo para Guayaquil

Essas ações combativas são parte de um grande levantamento de massas que vêm ocorrendo no Equador contra as políticas impostas pelo Fundo Monetário Internacional, executadas pelo governo reacionário de Lenín Moreno. Dentre elas, a eliminação dos subsídios aos combustíveis (causando um vertiginoso aumento de seu preço e, consequentemente, elevação do preço de todas as demais mercadorias), a redução de salários, terceirização do trabalho, dentre outras medidas antipovo amplamente rechaçadas.


Grupo de indígenas bloqueia uma estrada em ato de protesto. Foto: Cristina Vega/AFP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza