Equador: Temendo marcha indígena, Lenín Moreno muda a sede do governo para Guayaquil

A- A A+


Povos indígenas marcham para Quito. Foto: AFP

O presidente reacionário do Equador, Lenín Moreno, anunciou a transferência da sede do governo central de Quito para Guayaquil, no dia 8 de outubro, em vista da chegada iminente de milhares de indígenas que avançam pelas principais estradas das montanhas andinas como forma de protesto.

Leia também: Equador: Nova Grande Greve Geral é convocada para 9 de outubro; assista os vídeos

O presidente equatoriano deixou o palácio de Carondelet, que permanece completamente cercado pelas forças de segurança. Ao mesmo tempo, os primeiros manifestantes indígenas começaram a chegar do sul da capital a pé, depois de um dia de mobilizações combativas com bloqueios de estradas e confrontos violentos entre policiais, militares e membros das marchas camponesas.

Os dirigentes indígenas haviam anunciado que mais de 20 mil manifestantes chegariam a Quito nos próximos dias para pressionar e forçar o governo a retirar as medidas econômicas que causaram o aumento da gasolina devido à retirada do subsídio estatal para combustível.

Leia também: Equador: Camponeses indígenas capturam 47 militares em protesto contra o governo

“Neste momento, nossos povos e nacionalidades estão se mobilizando, avançando para a cidade de Quito para poder exigir e rejeitar estas medidas que afetam os bolsos de todos os equatorianos”, disse o presidente da Confederação de Povos Indígenas, Jaime Vargas, enquanto um fluxo enorme de indígenas atingiu as rodovias do Norte do país.

Já no dia 7, o Ministério da Energia também anunciou que a operação em três campos de petróleo na região amazônica foi suspensa “devido à apreensão das instalações por grupos de pessoas fora da operação”, disse em comunicado.

Leia também: Indígenas tomam antenas de TV durante Greve Geral que estremeceu o Equador

No comunicado, ele especifica que foi realizado um bloqueio na estrada do campo de Sacha, na província de Orellana, que impediu a circulação de petróleo. Já nas áreas de Cononaco, Chonta Sul e Rumiyacu (também em Orellana), foram fechados poços de extração de petróleo bruto no campo de Auca, no Bloco 61. No campo de Libertador, na província de Sucumbíos, a usina foi fechada porque acabou a energia elétrica.

No mesmo dia, em Bolívar, os povos indígenas ocuparam o prédio da administração da província, e marcharam pelo Ministério dos Transportes e Obras Públicas (MTOP), pela Prefeitura, pelo Ministério da Educação, Corpo de Bombeiros e outras entidades, conclamando os funcionários e trabalhadores a participarem da mobilização.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza