Equador: Temendo marcha indígena, Lenín Moreno muda a sede do governo para Guayaquil

A- A A+


Povos indígenas marcham para Quito. Foto: AFP

O presidente reacionário do Equador, Lenín Moreno, anunciou a transferência da sede do governo central de Quito para Guayaquil, no dia 8 de outubro, em vista da chegada iminente de milhares de indígenas que avançam pelas principais estradas das montanhas andinas como forma de protesto.

Leia também: Equador: Nova Grande Greve Geral é convocada para 9 de outubro; assista os vídeos

O presidente equatoriano deixou o palácio de Carondelet, que permanece completamente cercado pelas forças de segurança. Ao mesmo tempo, os primeiros manifestantes indígenas começaram a chegar do sul da capital a pé, depois de um dia de mobilizações combativas com bloqueios de estradas e confrontos violentos entre policiais, militares e membros das marchas camponesas.

Os dirigentes indígenas haviam anunciado que mais de 20 mil manifestantes chegariam a Quito nos próximos dias para pressionar e forçar o governo a retirar as medidas econômicas que causaram o aumento da gasolina devido à retirada do subsídio estatal para combustível.

Leia também: Equador: Camponeses indígenas capturam 47 militares em protesto contra o governo

“Neste momento, nossos povos e nacionalidades estão se mobilizando, avançando para a cidade de Quito para poder exigir e rejeitar estas medidas que afetam os bolsos de todos os equatorianos”, disse o presidente da Confederação de Povos Indígenas, Jaime Vargas, enquanto um fluxo enorme de indígenas atingiu as rodovias do Norte do país.

Já no dia 7, o Ministério da Energia também anunciou que a operação em três campos de petróleo na região amazônica foi suspensa “devido à apreensão das instalações por grupos de pessoas fora da operação”, disse em comunicado.

Leia também: Indígenas tomam antenas de TV durante Greve Geral que estremeceu o Equador

No comunicado, ele especifica que foi realizado um bloqueio na estrada do campo de Sacha, na província de Orellana, que impediu a circulação de petróleo. Já nas áreas de Cononaco, Chonta Sul e Rumiyacu (também em Orellana), foram fechados poços de extração de petróleo bruto no campo de Auca, no Bloco 61. No campo de Libertador, na província de Sucumbíos, a usina foi fechada porque acabou a energia elétrica.

No mesmo dia, em Bolívar, os povos indígenas ocuparam o prédio da administração da província, e marcharam pelo Ministério dos Transportes e Obras Públicas (MTOP), pela Prefeitura, pelo Ministério da Educação, Corpo de Bombeiros e outras entidades, conclamando os funcionários e trabalhadores a participarem da mobilização.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja