RO: Polícia invade auditório do IF para reprimir estudantes e indígenas

A- A A+

Um protesto de indígenas e estudantes nas dependências do Instituto Federal de Rondônia (campus Calama), na capital Porto Velho, foi reprimido por policiais militares armados com metralhadoras, no último dia 4 de outubro. Os agentes da Força Tática e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foram mobilizados e apoiaram uma plenária composta por grandes empresários e fascistas, cujos participantes xingaram, agrediram, ameaçaram e impediram os indígenas de se manifestarem.

A repressão começou quando um indígena tentou adentrar ao auditório para compor a mesa e levantar as exigências e o ponto de vista dos povos originários sobre a mineração, tentativa que foi impedida por policiais que ocuparam durante todo o dia o Instituto. Os indígenas, apoiados pelos alunos, exigiam então o fim da “Audiência Pública”, visto que nela se discutia mineração em terras indígenas sem sequer consultar os povos originários.

Foto: Saulo de Sousa

A Audiência, convocada pelo deputado coronel Chrisóstomo/PSL - com a presença do governador Marcos Rocha/PSL e do ministro de Minas e Energia-, teve em sua mesa representantes de monopólios estrangeiros e locais, políticos, representantes da Federação do Comércio, Associação Nacional de Mineração, Polícia Federal e outros. O Ministério Público Federal, ao saber que os povos indígenas não foram consultados, rejeitou o convite.

A Associação Brasileira de Advogados do Povo (Abrapo), em nota, qualificou o evento que discutia mineração como “uma farsa”, cujo fim era “sem pudor, atender apenas a comerciantes internacionais de minérios, multinacionais e iniciar a ocupação e brutal exploração da Amazônia”, em detrimento dos interesses dos povos indígenas.

A Abrapo afirmou ainda que “a mesa composta apenas pela Federação das Indústrias do estado de Rondônia, Federação do Comércio, Associação Nacional de Mineração, Polícia Federal, Ministério de Minas e Energia e outras organizações, órgãos e entidades, em nenhum momento mostrou-se interessada em contato algum e até mesmo repudiou os indígenas diretamente atingidos e que ali se manifestavam”.

Os advogados do povo prosseguem a denúncia afirmando que os reacionários “valeram-se de xingamentos contra os estudantes e indígenas, tentativa de intimidação física, invasão do auditório por militares armados com metralhadoras para retirar estudantes e impedir as manifestações dentro do espaço”. E acrescentam: “Posteriormente houve tentativa de invadir reunião dos indígenas o que foi impedido graças a firmeza dos inúmeros estudantes e indígenas presentes que impediram a invasão e expulsaram um jornalista policialesco local”.

“Essa é a prova cabal de que todo esse aprofundamento da espoliação será realizado de forma brutal e sequer disfarçando um respeito às previsões e garantias constitucionais. Usando-se da desinformação, forte aparato de repressão, negação de direito à fala aos povos presentes na audiência etc., eles mostraram que, de fato, vivemos no avanço do golpe militar contrarrevolucionário preventivo”, assevera a entidade.

Foto: Saulo de Sousa

“Nos solidarizamos com a luta dos povos indígenas contra a mineração em suas terras assim como pela demarcação. Nos solidarizamos com os estudantes que rapidamente atenderam ao chamado e uniram-se com os indígenas e sua firmeza e combatividade por todo o tempo que durou a audiência”, concluiu.

Já o Grêmio Livre Estudantil do IFRO (campus Calama), em nota, afirmou também seu repúdio à ação dos policiais e a negação do direito à expressão aos indígenas. “Deixamos aqui nossa nota de repúdio”, afirmam, e prosseguem: “pois, sendo uma audiência pública, todos devem ter livre acesso, ainda ressaltando a falta de pudor ao tratar de um assunto tão delicado e não trazer os devidos representantes para haver uma discussão justa. Mesmo não envolvendo somente os alunos em específico, somos contra qualquer ato que envolva o desfavorecimento de qualquer parte da sociedade”, afirmou, referindo-se aos povos indígenas.

Leia na íntegra a nota do Grêmio Estudantil:

"Hoje, no dia 4 de outubro, no Campus Porto Velho Calama, às 8h da manhã, ocorreu uma audiência pública realizada pela Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados requerida pelo deputado Coronel Chrisóstomo (PSL-RO), tendo a presença do Ministro da Energia, Almirante Bento Albuquerque e Governador Marcos Rocha.

Tratando da exploração de minérios das terras indígenas, o assunto percorreu por toda manhã e se estendeu até em torno das 14h. O que deveria ser uma discussão para a melhor resolução do que estava proposto, se tornou uma audiência cheia de atitudes duvidosas e que trouxe grande indignação por maior parte dos presentes.

O primeiro apontamento a ser relatado é o fato de uma audiência proposta para tratar das terras indígenas, não haver um representante indígena para compor a mesa, estranhamento que logo foi comprovado não somente a omissão de um espaço para tal representante, quanto o desconhecimento por parte dos indígenas de tal audiência, sendo confirmado que em nenhum momento houve um convite formal para compor o público.

Não sendo o bastante, tal evento ainda tentou impedir a entrada do representante para compor a mesa, na utilização de forças armadas que se instalaram no Campus durante boa parte do evento, sendo composta por policiais militares, força tática e o bope. Vale ressaltar que alunos do próprio Campus foram desrespeitados, muitos sendo xingados e chegando ao ponto das forças armadas, encorajadas pelos representantes presentes, tentarem impedir a permanência de alguns alunos que estavam se defendendo das ofensas diretas sem justificativa plausível.

Deixamos aqui nossa nota de repúdio quanto aos atos de caráter duvidoso e a força desnecessária de poder, sendo uma audiência pública, todos devem ter livre acesso, ainda ressaltando a falta de pudor ao tratar de um assunto tão delicado e não trazer os devidos representantes para haver uma discussão justa. Mesmo não envolvendo somente os alunos em específico, somos contra qualquer ato que envolva o desfavorecimento de qualquer parte da sociedade.

Para que fique claro, tudo relatado sobre o ocorrido possui imagens, vídeos e relatos de diversos alunos e presentes no Campus no dia de hoje.

Porto Velho/RO, 04 de outubro de 2019.

Grêmio Livre Estudantil

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia – IFRO

Campus Calama"

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja