RJ: Povo levanta barricadas contra execução de jovem pela PM no Para-Pedro

A- A A+


Dezenas de moradores se rebelaram contra ação genocida da PM. Imagem: Reprodução

Em mais um protesto do povo das favelas, moradores da comunidade Para-Pedro, no bairro Colégio, zona norte do Rio, ergueram grandes barricadas de pneus em chamas em uma importante avenida para repudiar a operação de guerra promovida pela Polícia Militar, cujo saldo foi, segundo os moradores, um jovem executado e outras cinco pessoas feridas, incluindo crianças.

Os moradores, revoltados, incendiaram ainda um ônibus como forma de protesto. A marcha chegou a confrontar um veículo blindado da PM, o "caveirão", exigindo sua retirada.

"Mataram um inocente, arrumaram merda aí, ó, mataram o menor lá no salão esperando para cortar o cabelo, maior maldade. O pau está quebrando agora", diz um homem em vídeo publicado na página da Mídia1508, referindo-se ao protesto.

O jovem executado, chamado Kelvin Gomes, de 17 anos, estava aguardando em uma fila para cortar o cabelo, quando foi alvejado pela PM, segundo testemunham os moradores. Ele trabalhava como mototaxista - serviço comum nas favelas para os jovens fugirem do desemprego. Junto com Kelvin, no mesmo local, outro jovem foi baleado: Lucas Souza, de 19 anos. Ele foi alvejado no braço e no peito, mas seu quadro é estável.

Emocionado, o tio de Lucas, Valdemir Menezes, protestou: "A gente vê pessoas que não são competentes, pessoas incapazes de estar cuidando de nossa sociedade. Eu vou lhe falar uma coisa: eu votei em você. Eu deixei de votar em outras pessoas para votar em você. [se referindo ao governador assassino Witzel]. Hoje a gente ter medo de sair de casa, porque nós somos alvejados. Estamos cansados disso, não aguentamos mais".

"A gente se sente sitiada. A gente sai e não sabe se volta pra casa. A realidade é essa, infelizmente", disse a mãe de Lucas.

Os idosos feridos são Apolônia Maria da Costa Nascimento, de 65 anos, e Antônio Hermínio Barbosa, 62. Além deles, Marquele Costa Coutinho, de 32 anos, também foi baleada. As crianças atingiram pelos disparos têm 7 e 8 anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza