RJ: Vídeo mostra PM atirando e agredindo pessoas no enterro de jovem morto no Para-Pedro

A- A A+

Foto: Reprodução

Um vídeo que circula em redes sociais mostra um policial militar disparando tiro de fuzil e chutando pessoas que participavam do sepultamento do jovem moto-taxista Kelvin Gomes Cavalcanti, assassinado durante uma operação da PM no dia 10 de outubro quando esperava para cortar o cabelo, na comunidade Para-Pedro, zona norte do Rio.

No dia 11 de outubro, o jovem de 17 anos foi enterrado no cemitério de Irajá, também na zona norte. Centenas de pessoas compareceram ao velório, entre eles, familiares, amigos e moradores da comunidade. Todos afirmam que o tiro que matou o rapaz partiu da Polícia Militar. Por conta disso, várias palavras de ordem exigindo justiça e denunciando os crimes da PM foram entoadas durante o cortejo fúnebre.

Leia também: RJ: Povo levanta barricadas contra execução de jovem pela PM no Para-Pedro

Os moradores, revoltados pelo assassinato de mais um jovem nas favelas do Rio, fizeram uma manifestação em frente ao cemitério, ocasião em que o PM, visivelmente exaltado, efetuou o disparo e a agressão.

Diante de mais este crime flagrante, a Polícia Militar informou apenas que o agente foi afastado e passará por avaliação psicológica, numa clara postura conivente com esta ilegalidade.

Durante o enterro, a mãe do jovem, Isabel Gomes, afirmou: “Meu filho não merecia, mas essa é a ordem do governador, entrar e matar sem perguntar quem é”, denunciou.

Outro jovem também foi baleado, Lucas Souza, que estava na barbearia. Ele era amigo de Kelvin e tem 19 anos. O rapaz está internado e seu estado é estável. Ele levou um tiro no peito e no braço. A bala atravessou seu corpo e, segundo afirmou sua mãe, Claudia Elizabeth Amaral, essa foi a sorte do rapaz.

O tio de Lucas, Valdemir Menezes, concedeu uma entrevista à imprensa com a camisa do sobrinho ensanguentada em suas mãos e denunciou: “Como é que pode uma pessoa sair para cortar o cabelo e, de repente, ser alvejada por dois tiros? Esse tiro poderia ser para a morte, nós estamos cansados disso. Não aguentamos mais", protestou.


 Kelvin Gomes e Lucas Souza 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza