Revolucionários protestam contra o imperialismo alemão na própria Alemanha

A- A A+

Foto: Dem Volke Dienen

Uma manifestação contra a celebração do "Dia da Unidade Alemã" teve lugar na cidade de Hamburgo no dia 3 de outubro, porém a notícia foi divulgada na página Dem Volke Dienen na última semana. Sob a palavra de ordem A Alemanha deve morrer para que possamos viver!, cerca de 200 manifestantes se reuniram e marcharam desde a Rote Flora até o chamado bloco de guerra, que presta homenagem à participação do imperialismo alemão nas guerras mundiais.

As palavras de ordem A RFA não é nosso Estado, todo poder para o proletariado!, e Não acreditem nas mentiras dos exploradores, a rebelião se justifica! soaram fortemente nas ruas de Hamburgo.

Foto: Dem Volke Dienen

Alguns revolucionários proletários enfatizaram nas faixas o internacionalismo proletário na luta contra o imperialismo alemão. A palavra de ordem do Movimento Comunista Internacional Proletários de todo mundo, uni-vos!, complementada com Abaixo do imperialismo alemão!, foi estampado em uma faixa alta.

Os policiais, ao longo da marcha, pediam reforços para acompanhar a manifestação. Em edifícios públicos, como os tribunais, o Ministério Público, etc., onde a manifestação passou, tropas foram estacionadas na frente dos locais para protegê-los. 

Foto: Dem Volke Dienen

Os participantes, predominantemente jovens, na manifestação deixaram claro que, "em tempos de crescente chauvinismo imperialista e patriotismo social, uma 'unidade alemã' não é ocasião para celebrar pelos explorados e oprimidos".

Em um vídeo divulgado no portal revolucionário Dem Volke Dienen, mostra-se que ações do tipo foram realizadas em mais cidades da Alemanha, como Friburgo, Bremen, Essen e Thüringen. No vídeo também consta demonstração de solidariedade internacional, com vários militantes alemães falando Proletários de todo mundo, uni-vos! em diversas línguas, como turco, árabe e espanhol.

Ao final do vídeo, vê-se queimas de bandeiras alemãs feitas pelos revolucionários em diversas cidades do país.

Assista o vídeo

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza