‘Sem perdão e nem esquecimento’: FDLP faz balanço do levantamento de massas no Equador

A- A A+

A Frente de Defesa de Lutas do Povo (Equador) divulgou, no dia 10 de outubro, uma nota destacando o papel da direção oportunista e da repressão do velho Estado em tentar esmagar e controlar a revolta das massas de toda forma.

Desde o início da rebelião popular no Equador, nove mortes foram confirmadas pelo povo; mais de 200 pessoas foram feridas gravemente, e quase 1 mil detidas. Hospitais e centros de ajuda humanitária foram bombardeados com gás pela polícia, e aconteceram disparos de armas com munições letais e não letais pelas forças de repressão durante a jornada de lutas. Estradas foram bloqueadas, campos de petróleo foram ocupados por massas de camponeses e indígenas pobres e a produção de petróleo foi suspensa.

A FDLP coloca que, “embora seja verdade que na massiva marcha de trabalhadores havia focos de combatividade, expostos pelo elemento consciente da classe e do povo, a liderança oportunista arrastou a maioria dos manifestantes para uma marcha de cordeiros; radicais no discurso, domesticados na ação”.

Dentre as ações levadas a cabo durante o levantamento de massas, os revolucionários ressaltam algumas que foram de grande peso e saldo positivo para a luta do povo.

Uma delas foi a retenção de vários policiais pelos camponeses, levados à Casa da Cultura, onde se concentraram as delegações das diferentes organizações. A polícia foi obrigada a carregar o caixão de um dos companheiros indígenas assassinados pela repressão.

“O carácter simbólico dessa ação é imensurável”, dizem os revolucionários. “A responsabilidade da polícia, dos militares (sob o comando da ministra do Interior, María Paula Romo, e do ministro da Defesa, Oswaldo Jarrín) não pode passar despercebida na história. Hoje, mais do que nunca, foi possível infligir derrotas humilhantes a membros do Exército e da polícia”, afirmou a Frente.

O aumento das ações violentas contra as forças repressivas, como o uso de bombas incendiárias que causaram ferimentos graves a membros da Polícia Nacional no centro da cidade; e a incorporação de um maior número de massas camponesas e indígenas, que se mobilizaram desde o leste e sul do país, também foram citados pela FDLP.

“É importante não nos deixarmos conquistar por oportunistas que querem mostrar-se pacificamente, e que querem negar ao povo o direito legítimo de opor a violência revolucionária contra a violência reacionária”, dizem os militantes.

Eles prosseguem: “Há que dizer, aqui e agora, que não haverá perdão ou esquecimento aos repressores do povo; não haverá perdão ou esquecimento para aqueles que trafiquem e negociem com o sangue do povo. E nisso queremos ser incisivos: líderes populares, sindicalistas, camponeses que ousam negociar com o sangue que o povo derrama terá que responder diante da história”.

Ao longo da história, continuam, “sabemos que as lideranças oportunistas e revisionistas sempre acabam negociando com os patrões, com a repressão, com os governos no poder, enfim, com o velho Estado, o sangue e as lutas do povo”. 

“Temos que aprofundar a luta, Temos que militarizar a ação”, conclui a FDLP. “É urgente dar respostas mais contundentes ao velho Estado, ao seu aparelho repressivo e ao governo. Temos que reivindicar a vida de nossos mártires, alimentando a rebelião popular. A violência revolucionária tem de ser aplicada e desenvolvida; é essa a consigna a ser levantada”.


Cartaz elaborado pela FDLP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza