Dinamarca: Moradores fazem pichações contra lei de segregação social

No bairro Sjælør Boulevard, localizado no sudoeste de Copenhague, uma área designada como “zona residencial exposta” (marcada pela nova lei reacionária como um “gueto”) na capital da Dinamarca, moradores e ativistas populares levaram a cabo uma campanha de pichações com a palavra de ordem: Esmagar a lei do gueto! Defenda o nosso bairro! A ação foi realizada em um estacionamento perto de um supermercado e duas escolas, e foi divulgada pelo portal revolucionário Socialistik Revolution, no dia 9 de outubro.


Pichação realizada por revolucionários dinamarqueses. Foto: Socialistik Revolution

A ‘Lei do Gueto’

De acordo com o portal alemão revolucionário Dem Volke Dienen, a “lei do gueto” designa 29 bairros da Dinamarca como sendo oficialmente “guetos” (periferias), com base em estatísticas como a taxa de emprego, taxa de rendimento, nível de educação, criminalidade e, em particular, a taxa de habitantes com “antecedentes não ocidentais” (imigrantes).

Para esses bairros, existem planos para aumentar a vigilância com câmeras, dobrar a pena para todos os crimes cometidos, forçar as crianças do jardim de infância a frequentar pelo menos 25 horas semanais de escola (para que sua educação possa ser monitorada pelo Estado imperialista) e, na mesma direção, impedir que os moradores de famílias migrantes viajem frequentemente para seus países de origem, pois isso iria “interferir na educação da criança”, colocando uma pena de prisão de quatro anos às famílias.

Além disso, a “lei do gueto” dá liberdade aos grandes proprietários imobiliários e empresas proprietárias dos apartamentos e casas dos bairros para “melhorar” a situação habitacional, concedendo direitos para demolir casas antigas em favor de novas casas ou para “renová-las”, abrindo precedente para o uso especulativo dos terrenos. Isto levará inevitavelmente a uma situação em que a moradia acessível de muitas pessoas seja derrubada em favor de uma muito mais cara.

Essa medida é parte do processo de incremento do Estado policial, com maior restrição às liberdades individuais e democráticas, processo que tem sido impulsionado na Europa e no "primeiro mundo", em geral.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro