Honduras: Povo protesta contra presidente corrupto e é reprimido

A- A A+


Polícia reprime manifestantes durante protesto. Foto: AFP

Centenas de manifestantes que protestavam exigindo a saída do presidente hondurenho Juan Orlando Hernández foram reprimidos em Tecucigalpa, capital do país, na última semana, dia 9 de outubro, por dezenas de policiais que os atacaram com gás lacrimogêneo. O estopim para o protesto foi a acusação feita em um tribunal de Manhattan segundo a qual o presidente recebeu dinheiro do tráfico de drogas para suas campanhas presidenciais.

Cerca de mil manifestantes se reuniram no parque central da cidade e, durante a manifestação, convidaram os motoristas próximos para buzinar em demonstração de seu descontentamento com o governo. O trânsito ficou lento porque cada veículo parou para gritar Fora JOH! (iniciais do nome do presidente) e cumprimentar os manifestantes. 

Entre os manifestantes estavam estudantes, professores, donas de casa e camponeses, que, no dia anterior, tinham realizado uma concentração no centro de Tecucigalpa sob a mesma demanda.

A polícia, nervosa com o apoio popular aos manifestantes, começou a exercer pressão ao ameaçar com o confisco de licenças dos motoristas que paravam nas proximidades do parque para apoiar o ato.

Em um dado momento do protesto, a polícia começou a empurrar as mulheres com seus escudos para dispersá-las do local. Houve inclusive agressão verbal contra elas: “Por que não procuram o marido em casa?”, disseram os agentes de repressão.

Uma bomba de gás lacrimogêneo se partiu em dois e pegou fogo, provocando mais indignação entre os manifestantes. Mais seis bombas foram ouvidas. As pessoas saíram do local por causa do forte impacto causado pelo gás. Os manifestantes atiraram pedras e outros objetos para se defender da agressão policial.


"Não há bandeira grande o suficiente para cobrir a vergonha de ter matado pessoas inocentes", diz a bandeira do USA, virada, levada por um manifestante Foto: AFP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza