RJ: Para escapar da fome, povo saqueia caminhão frigorífico em Acari

A- A A+

Um caminhão frigorífico foi saqueado por populares no dia 20 de outubro quando passava pela feira de Acari, na zona norte do Rio de Janeiro. O caminhão tinha sido roubado por delinquentes do morro da Pedreira, também na zona norte, porém a carga não despertou o interesse dos assaltantes, que abandonaram o veículo.

Os populares iniciaram a tomada das carnes quando o caminhão passou com a porta traseira aberta e as carnes expostas. Os assaltantes, ao abandonarem o veículo, ativaram o limitador de velocidade (que faz com que o veículo continue andando a 20 quilômetros por hora). A quantidade de carne tomada por cada popular é o suficiente para alimentar por semanas uma família. A Polícia Militar (PM) recuperou o veículo na comunidade Para-Pedro. 

Esse tipo de ação revela a total situação de miséria e fome que o povo está sendo obrigado a viver, e que se aprofundará ainda mais com as medidas antipovo e vende-pátria que Bolsonaro e os generais estão querendo aprovar. Em Acari, a miséria e a opressão sobre a população explicam fenômenos como este.

Enquanto bairros nobres, como Gávea e Leblon, possuem uma renda média por pessoa de R$ 2.139,56 e R$ 2.441,28, em Acari a renda média por pessoa é miserável: R$ 174,12. O bairro possui a taxa de renda por pessoa mais baixa da cidade, inferior até mesmo do que a outros bairros proletários e empobrecidos, como Rocinha (R$ 219,95 por pessoa) e Mangueira (R$ 357,46 por pessoa). O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Acari é de 0,720, o terceiro mais baixo da cidade. Na Gávea e Leblon, por exemplo, o índice alcança 0,970 e 0,967, respectivamente. Os dados foram coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018.

No país, como um todo, o empobrecimento das massas também se faz presente: são 12,6 milhões de pessoas sem nenhuma atividade e mais de 24,2 milhões de pessoas que estão atrás de um emprego enquanto desempenham bicos que não suprem necessidades. 

Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira