Amedrontado por levantes, governo manda Exército ‘se preparar’ e ameaça impor intervenção militar

A- A A+


Juventude Combatente ataca o muro do Panteão onde está enterrado o genocida Duque de Caxias, durante manifestação no Rio de Janeiro, 15/05/19. Foto: Mídia 1508

Em um novo disparate fascista, o presidente Jair Bolsonaro declarou, no dia 23 de outubro, que as Forças Armadas devem “se preparar” e afirmou que está decidido a acionar uma intervenção militar via artigo 142 (da “garantia da lei e da ordem”) caso ocorra uma grande sublevação de massas.

Assustado com os levantes gerais ocorridos recentemente no Equador e no Chile, o fascista afirmou que tem discutido o acionar de tal decreto com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. “Nos preparamos [para levantamentos de massas]. Conversei com o ministro da Defesa sobre a possibilidade de ter movimentos como tivemos no passado, parecidos com o que está ocorrendo no Chile, e logicamente essa conversa é levada por ele a seus comandantes, e a gente se prepara para usar o artigo 142, que é pela manutenção da lei e da ordem, caso eles venham a ser convocados por um dos três poderes”, disparou.

“Não podemos ser surpreendidos, temos que ter a capacidade de nos antecipar a problemas. A intenção dos movimentos de esquerda é atacar o USA e autoajudarem-se para que seus partidos tenham ascensão”, concluiu Bolsonaro.

O artigo 142 é utilizado pela direita militar e pela extrema-direita como justificativa para impor um golpe de Estado militar quando necessário. O próprio artigo foi uma concessão da constituição de 1988 a uma exigência dos militares que saíam de cena com a “abertura lenta, gradual e segura”. Tal artigo, dúbio e amplo, dá brechas para o golpe de Estado.

Leia também: Editorial - As massas levantarão sua contraofensiva revolucionária

Em entrevista ao canal Globo News, no fim de 2018 e às vésperas das eleições, o próprio general Mourão, à época candidato a vice, afirmou que é “constitucional” acionar o artigo 142 para estabelecer um regime de centralização absoluta de poder e intervenção do Executivo nas demais instituições.

Tal declaração comprova a análise de AND segundo a qual a extrema-direita bolsonarista e a direita militar (força hegemônica no Alto Comando das Forças Armadas), embora brigam entre si para decidir qual tipo de regime político impor (abertamente fascista ou demoliberal bonapartista), tendem a se unificar se surgir um grande levante das massas populares.

Ademais, tal declaração é uma ameaça aos setores da falsa esquerda eleitoreira, cujo objetivo é amedronta-los para que eles façam esforços no sentido de atravancar o protesto popular por medo de um golpe de Estado – que, conforme temos analisado nos últimos Editoriais, já foi desatado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja