RJ: Ato em apoio à luta camponesa na Baixada Maranhense é realizado na Uerj

A- A A+

Foto: A Nova Democracia

Mais de 60 pessoas reuniram-se no 9º andar da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para discutir e apoiar a luta dos camponeses da Baixada maranhense, organizados pelo movimento Fóruns e Redes de Cidadania. O evento, transcorrido no campus Maracanã no dia 24/10, deu destaque à denúncia de prisões e perseguições políticas promovidas pelo governador do estado, o revisionista Flávio Dino/PCdoB. 

O ato faz parte da campanha de solidariedade a luta pela terra na Baixada maranhense e da campanha nacional pela liberdade dos presos políticos do governo Flávio Dino/PCdoB. No evento falaram dois representantes do movimento Fóruns e Redes de Cidadania, além de um representante da Associação Brasileira de Advogados do Povo (Abrapo), do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo), da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e do jornal A Nova Democracia (AND).

Leia também: Ato em apoio aos camponeses presos no Maranhão é realizado na UFPE

Os representantes do Fóruns e Redes da Cidadania falaram sobre a prisão arbitrária e ilegal de cinco camponeses: Laudivino, Joel, Emilde, Edilson, além de José, que estava presente na mesa de debate. Os presos políticos ficaram nessa condição por 72 dois entre fevereiro e maio de 2019 e, no dia 13 de setembro, foram novamente presos pela Polícia Militar (PM), durante à noite, no município de Arari.

Foto: A Nova Democracia

Na ocasião da prisão, eles foram transferidos para o presídio de Viana. Segundo o representante dos camponeses maranhenses, a ordem do delegado da cidade era não levá-los sequer à delegacia, “pois ele sabia que se eles [camponeses] fossem pra delegacia o povo ia invadir e botar fogo nela”, contou.

José Diniz, que foi um dos trabalhadores que ficou preso durante 72 dias no início do ano, disse no ato que no momento de sua prisão a PM entrou em sua casa e o pegou quando ainda estava de roupa íntima em sua cama, e que foi colocado na viatura do mesmo jeito que estava vestido, sendo impedido pelos agentes de se vestir. Sua família, traumatizada e abusada pelos policiais, necessitam de acompanhamento psicológico devido aos traumas.

Leia também: Ato em apoio à luta pela terra no Maranhão é realizado na USP

O camponês e advogado Iriomar Teixeira, ativista do Fóruns e Redes, disse que por sua militância política está sendo perseguido e criminalizado por latifundiários da região entrelaçados com o sistema judiciário local. “Eles me acusam, dizem que quando eu chego nos lugares que estavam tranquilos começam a surgir confusões”, contou sorrindo, sendo seguido por aplausos do plenário. Ele contou ainda que há vários processos pedindo a cassação do seu direito a exercer a advocacia.

O representante da LCP deu uma explanação do cenário da luta pela terra na qual afirmou que a reação e o velho Estado, juntamente com os latifundiários, já haviam tomado a decisão, há muito tempo, de promover assassinatos de dirigentes camponeses, especialmente da LCP.

“Em uma reunião da Abin, latifundiários, polícia e Exército, em Rondônia, 2008, afirmaram: ‘com a Liga tem que matar, não adianta prender’. Então essa guerra, antes não declarada e agora, pela boca do Bolsonaro, explicitada, deve ser respondida também com guerra, tal como afirmamos, pois nunca deixou de existir a guerra pela terra no Brasil”.

Leia também: MG: Ato em defesa das lutas camponesa, indígena e quilombola na Baixada Maranhense

O dirigente camponês prosseguiu e afirmou que para que a luta pela terra triunfe em todo o país, é necessário promover a aliança operário-camponesa, que consiste em estabelecer uma direção ideológica e política proletária à luta pela terra dos camponeses. “E a coisa mais difícil é promover uma direção profundamente ligada às massas com a aliança camponesa, indígena e quilombola com a classe operária”.

Eleito afirmando que faria a “revolução burguesa no Maranhão”, o oportunista Flávio Dino comanda o governo cuja polícia promove prisões ilegais e cujo governo incentiva “investimentos” imperialistas da China e do “agronegócio” em detrimento do incentivo ao campesinato. Anteriormente, duas outras cidades haviam recebido os camponeses do Fóruns e Redes: São Paulo e Belo Horizonte, conforme já noticiamos.

Foto: A Nova Democracia

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja