Uruguai: Milhares de pessoas marcham contra militarização da ‘segurança pública’

A- A A+

No dia 23 de outubro, há quase uma semana, em Montevidéu, cerca de 55 mil uruguaios saíram às ruas para protestar contra a reforma “viver sem medo”, que, através de um plebiscito (que se realizará no dia 3 de novembro), deformará a constituição e criará uma Guarda Nacional com 2 mil soldados das Forças Armadas reacionárias que trabalharão ao lado da polícia.

A marcha começou à frente da Universidade da República, às 15h, e seguiu pela principal avenida da capital. Durante o trajeto, os manifestantes carregavam cartazes e gritavam palavras de ordem denunciando a militarização da sociedade. Além disso, balançavam bandeiras do Equador e Chile, demonstrando solidariedade internacional com os povos latino-americanos que protagonizaram grandes ondas de protestos. 

A reforma "viver sem medo" é um passo adiante na militarização da sociedade uruguaia e algumas de suas consequências são a permissão para incursões militares noturnas em domicílios privados (com autorização judicial), além de negar o direito à libertação antecipada de presos culpados por certos crimes e admitir a pena de prisão perpétua. 

Foto: Reprodução

Milhares de pessoas vão às ruas para protestar contra a militarização da segurança pública. Foto: El observador

Um manifestante disse em entrevista à agência EFE que tal iniciativa vai de mãos dadas com a política de segurança já existente no Uruguai que está vigente há muitos anos e que “só está falhando” em frear a criminalidade.

Esta ideia, segundo o manifestante, é mais do mesmo e está destinada ao “fracasso”, pois continua com a lógica de olhar o problema da segurança a partir da perspectiva da repressão e que gera “uma escalada de violência”, que se torna “algo muito perigoso”. “O que dizemos é que esta proposta é ineficiente, não vai cumprir seu objetivo que é viver sem medo, na realidade estamos convencidos de que a segurança não vai melhorar por causa disso”, disse ele.

“O que está acontecendo no resto da América Latina deve ser capaz de abrir os olhos para entender também que a situação não é tratada assim, temos muitos países ao lado que têm militares nas ruas e que a violência não para de crescer. Então, por que vamos por esse caminho se sabemos que é um fracasso?”, concluiu.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja