Trabalhadores da saúde paralisam atividades por melhores salários em Roraima

A- A A+

Foto: Reprodução

No último dia 23 de outubro, cerca de 70% dos trabalhadores de todas as unidades de saúde estaduais de Roraima paralisaram por 24h suas atividades exigindo melhores salários e condições de trabalho. 

Um ato, iniciado por volta das 7h daquele dia, deu o tom da exigência da categoria. Com faixas e palavras de ordem na porta do Hospital Geral de Roraima, o maior do estado, os trabalhadores denunciaram as precárias condições de trabalho, baixos salários, falta de medicamentos, entre outros problemas.

Esse foi o segundo ato realizado em 2019, pois, em fevereiro, os trabalhadores já denunciavam esse cenário caótico, além da redução de 18% para 12% do orçamento estadual para a saúde.

Pacientes denunciam precarização

Os pacientes e acompanhantes do Hospital Materno Infantil denunciam que a unidade não está realizando o “teste da orelhinha” há cerca de dois meses por falta de manutenção no aparelho. Tal teste é fundamental para identificação de graves doenças.

Uma mãe trabalhadora, que preferiu não se identificar, denunciou à nossa reportagem que seu afilhado nasceu há cerca de um mês, porém até hoje ainda não realizou o teste.

Já a trabalhadora Ana Peixoto, 19 anos, mãe de uma criança que do teste, indagou: “É uma vergonha, porque já era para isso estar consertado, principalmente pelo tanto de crianças que está nascendo. Vou ficar sem exame por causa disso?”.

Ela denunciou também outras situações de precarização que colocam em risco a vida das mães trabalhadoras e seus filhos. “Depois da minha cesárea, tive que esperar quase que morrendo de dor, com risco dos meus pontos estourarem, porque não tinha maca e nem lugar para eu ficar. Tava muito imundo, tinha lodo para tudo quanto é lado. A gente preferiu esperar o dia seguinte, quando fomos liberados, para dar banho nele em casa. Está uma situação bem precária”, diz.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza