Poema: 'Por tua bandeira hasteada (Ao povo chileno)', por Jorge Moreno

A- A A+

Reproduzimos este belo poema enviado à Redação de AND por Jorge Moreno, um poeta internacionalista e entusiasta da luta popular no Chile.


Por tua bandeira hasteada
(Ao povo chileno)
___
A dor que sinto
é a dor que aflige meu povo
o sentimento presente em minha vida
está cheio da alma de minha gente.
 
Não tenho como contentar-me
enquanto existir tanta infelicidade
nas ruas, nos campos, bairros e favelas.
 
Mas ao ver-te meu povo nas ruas, nas calles
desobediente ao toque de recolher
animado pelo canto e pelo violão insubmisso
 
Como conter tanta emoção?
 
Como não crer em tua força
ao desafiar atrevido o injusto armado até os dentes
apenas com a certeza da verdade em tuas mãos?
 
Um largo canto se fez posse
da minha mente, dos meus lábios
e dancei como dançou Mercedes em Vinã
quando o ditador ainda moribundo
 
"porque tudo pode mudar
mas nunca mudará
o amor por minha gente!"
 
Sim, mostraste para todo o mundo
que a liberdade sempre será um sonho
indissociável da sua conquista nas ruas.
 
Nas ruas, vielas e praças disseste sim:
somos os filhos herdeiros da terra de irmãos
portadores de uma bandeira que sempre será hasteada
uma verdade que não pode ser contida.
 
Quando faltarem todas as armas
nossa primeira e derradeira arma contra a opressão
nosso grito único, forte e inconteste será
 
Liberdade!
 
Como disse o nosso pedagogo
exilado em território comprido e estreito
onde agora o povo resiste aos batalhões armados
ainda saudoso do aroma de sua terra natal:
 
crê no povo é condição prévia
a qualquer sonho de liberdade!
 
Nunca duvidei, nunca duvidarei
da opção que fiz quando ainda imberbe.
Não duvido, nunca duvidei, nunca duvidarei
da força do meu povo quando se põe em marcha
 
Ao lado de minha gente estarei, estarei sempre
na dor, na alegria, na batalha pela vida
na festa da terra conquistada, enfim liberta
de toda forma de opressão.
 
Estarei no cultivo, na escolha da semente,
no amor à terra, na risada gigante
quando o arroz com seus cachos cor de ouro
anuncia o tempo novo da fartura
 
Quando aquele pedaço de pau enterrado
majestosamente da casa de mani
dormindo na terra, com aparência de morto,
desperta para a hora de alimentar meu povo.
 
tempo de trabalho em mutirão no plantio e na colheira
para que seja tempo de honesta fartura na refeição!
 
O maior perigo que os inimigos temem
é que povo alimentado sonha
e sempre alimenta o sonho de outros povos.
 
Não, minha gente não recuará
a rua é sua por destino e designação.
 
Que importam então as armas, as balas e os drones?
 
Que são tanques de guerra quando o povo unido
marcha por sua liberdade, destemido
ciente que a escuridão findará e o sol nascerá em seguida?
 
O que são as armas
quando a arma mais poderosa que uma nação possui
é seu povo quando não aceita recolher-se, ficar em silêncio
e enfrenta os canhões virados contra si,
transformados em auxiliares de assassinos?
 
Que meu grito assim seja ouvido
em alto e bom som:
 
tremam os quartéis, os palácios,
os jornais malditos de propaganda do ditador!
 
Refeitas sejam as leis, todas as leis
pois o soberano está sim nas ruas
a rua é e sempre será do soberano:
 
o povo!
 
Desobedecidas sejam todas as leis
que disponham o contrário
 
Amaldiçoadas sejam para sempre!
 
Propaguem, pois, essa notícia
aos ouvidos novos, aos ouvidos cansados:
 
Nossa dor passará, chegará o dia da festa!
 
Preparemos então o riso,
vamos juntar o que restou!
 
Mesmo pouca, a comida será farta, porque partilhada
nossa alegria será imensa, pois de todos
 
preparemos a dança, a voz e o canto.
 
Precisaremos de todas mãos
é hora de reconstruir o que o ditador destruiu.
É hora de distribuir para todos
o que os amaldiçoados quiseram só para si
 
transformando a nação em campo de fome e desolação!
 
Nesse novo dia que chegará,
até o choro será permitido
mas não será mais de dor, nem de desespero
 
É o choro bem-vindo da emoção
ao ver a bandeira hasteada no topo
anunciando que um povo foi liberto.
 
Bandeira que enviará aviso aos outros povos
que a liberdade é possível
ponte que só pode ser cruzada
com povo unido e resoluto de sua tarefa.
 
Não duvidem, nunca duvidem
o dia chegará, ele já está grávido
será como qualquer parto, com dor e sangue
mas passado esse instante
 
será apenas riso e celebração!
Jorge Moreno, 26/10/19

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja