Ato em apoio aos camponeses presos no Maranhão é realizado na UFPE

A- A A+

Foto: William Oliveira

Ocorreu, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no dia 25 de outubro - como parte da campanha nacional pela liberdade dos quatro presos políticos do governo Flávio Dino (PCdoB) do Maranhão -, um ato em solidariedade a luta pela terra na Baixada Maranhense. O evento foi realizado no auditório do térreo do Centro de Filosofia e Ciências Humanas e contou com a participação de diversos movimentos do campo e da cidade, além de estudantes, técnicos e professores da própria Universidade.

A mesa do evento foi mediada por Andrey Vitor, coordenador do Grupo de Estudos Mangue Vermelho, e foi composta pelo advogado popular Iriomar Teixeira; o militante da organização Fóruns e Redes da Cidadania (MA), José Diniz; a Dr Maria José, representando a Associação Brasileira de Advogados do Povo (Abrapo); o companheiro PJ, da Liga dos Camponeses Pobres (LCP); e a companheira Cláudia, do Movimento Luta de Bairros (MLB).

Leia também: RJ: Ato em apoio à luta camponesa na Baixada Maranhense é realizado na Uerj

O ato denunciou a prisão política dos camponeses maranhenses que estavam defendendo as terras públicas da comunidade tradicional de Flexeiras-Arari. Eles foram presos na madrugada do dia 13/09 por sete viaturas da Polícia Militar (PM) e um carro não identificado, que entraram na comunidade com seus métodos de ameaça e terror.

Na fala do advogado Iriomar Texeira foi relatado todo processo de perseguição à luta camponesa na Baixada Maranhense. Ele deixou deixou clara a podridão e o conluio entre os três poderes do velho Estado a serviço do latifúndio. Apesar de ser ameaçado por latifundiários e de estar sob risco de perder sua carteira da OAB - por pura perseguição dos membros da entidade -, o advogado Iriomar reafirmou seu compromisso na luta. Já o camponês e ex-preso político José Diniz, do Fóruns e Redes, relatou como é a vida e a luta pela terra no município de Arari e falou sobre sua experiência dentro da prisão. “Continuaremos derrubando as cercas, continuaremos lutando pelos campos livres”, exclamou.

Leia também: Ato em apoio à luta pela terra no Maranhão é realizado na USP

Também se destacou a fala da Dr. Maria José, que fez um breve histórico das lutas do povo pernambucano e afirmou a necessidade de unificação dos movimentos combativos contra o aparelho repressivo do velho Estado. A Liga dos Camponeses Pobres fez uma bela exposição sobre a conjuntura da luta pela terra e reafirmou a necessidade da Revolução Agrária como contraofensiva aos crimes do latifúndio semifeudal. Já a companheira Cláudia, do MLB, fez uma calorosa e muito aplaudida fala sobre as semelhanças entre a luta do Fóruns e Redes e a luta do seu movimento, que briga pela reforma urbana. “Lá eles derrubam as cercas, aqui nós queimamos pneus, somos irmãos de luta!”, disse.

Foto: William Oliveira

Todo evento foi filmado e documentado com o apoio do Diretório Acadêmico do curso de Cinema da UFPE. O material será disponível em breve. As intervenções da plateia foram de grande importância. A recém-eleita gestão do Diretório Central de Estudantes da UFPE fez uma fala de apoio e solidariedade aos militantes dos Fóruns e Redes. Prestaram a mesma solidariedade estudantes da União da Juventude Comunista (UJC) e do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR). Tivemos apoio, também, durante a mobilização para o ato, de diversos diretórios acadêmicos, como o de Ciências Sociais, Psicologia e Serviço Social. Também prestou apoio a União dos Estudantes de Pernambuco (UEP), entidade que representa todos os estudantes universitários do estado.

Leia também: MG: Ato em defesa das lutas camponesa, indígena e quilombola na Baixada Maranhense

A atividade foi enérgica, com diversas palavras de ordem clamando pela liberdade dos camponeses, pela derrubada das cercas e pelo fim do latifúndio. No final todos se reuniram cantando canções camponesas da luta pela terra e gritando as palavras de ordem Liberdade já para os nossos companheiros! e Preso políticos, liberdade já! lutar não é crime, vocês vão nos pagar!

Os estudantes e militantes que estiveram presentes no ato prestaram diversos elogios e saudações. O clima foi de esperança e firmeza. Como disseram os camponeses presentes: “Lutaremos até o fim!”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja