Chile: Protestos massivos prosseguem fazendo o velho Estado tremer

A- A A+


Um grande incêndio atinge o centro de Santiago durante manifestação. Foto: Getty images

Os protestos massivos no Chile, que completaram 11 dias no dia 29 de outubro, voltaram às ruas exigindo a renúncia de todo o governo presidido por Sebastián Piñera. 

Em meio à forte repressão dos policiais e militares, os manifestantes permaneceram nas ruas, no novo dia de mobilizações que chegou ao Palácio de La Moneda. Milhares de trabalhadores da saúde e da educação juntaram-se aos protestos generalizados do dia 29, exigindo que os direitos fundamentais deixem de ser comercializados como mercadorias.  

A marcha ocorreu sem conflitos com a Polícia durante a maior parte da caminhada pela Alameda Bernardo O'Higgins, a principal rua de Santiago, mas, mesmo assim, acabou sendo reprimida a cerca de 200 metros do palácio presidencial. Nessa altura, o povo entendeu que era preciso resistir com violência e aplicou-a, gerando confrontos em várias partes da capital.

“A polícia não permitiu que as pessoas se aproximassem de La Moneda pacificamente. Cerca de quatro quadras antes, eles começaram a jogar gás lacrimogêneo”, disse o fotógrafo Cristóbal Venegas, que estava na marcha, em entrevista à BBC Mundo. Venegas disse que a “repressão foi superviolenta hoje, mais do que em dias anteriores. As pessoas, insatisfeitas, começaram a desatar incêndios, barricadas. O confronto durou quatro ou cinco horas”.

Foto: Jorge Silva/Reuters

Embora Piñera tenha mudado oito de seus ministros e oferecido subsídios, as manifestações continuam a se intensificar no país: circulam na internet vídeos de uma escola na cidade de Ovalle  que, para impedir que os alunos participassem dos protestos do dia 29, trancou-os dentro do colégio. Já os alunos, em sua justa rebelião, derrubaram o portão de metal do colégio.

Assista: https://twitter.com/yeni_demokrasi1/status/1189101132397862912?s=08

Também, em um vídeo veiculado pela Reuters, vê-se a brutal repressão das forças de repressão reacionárias contra os manifestantes, mas também a heróica resistência desses, que sem se intimidar, construíam barricadas em chamas, jogavam tintas e pedras contra os carros blindados militares, entre outras ações.

Assista: https://twitter.com/Reuters/status/1189466976453685249?s=08

Por sua vez, o Instituto Nacional de Direitos Humanos denunciou que um observador foi ferido depois de receber sete balas disparadas por policiais; o funcionário sofreu ferimentos graves em sua perna e foi transferido para um posto de saúde. 

A Defensoría da Criança do Chile também informou que, durante a jornada de protestos, houve 283 casos de violações contra menores por parte de carabineros, “43 menores foram feridos e 240 foram detidos”, acrescentaram.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja