SP: Com medo do aumento do protesto popular, governo manda PM cercar ato por Marielle

A- A A+

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Na noite do dia 31 de outubro, cerca de mil manifestantes se reuniram na avenida Paulista, em São Paulo, durante um ato que exigiu respostas aos assassinatos políticos de Marielle Franco e Anderson Gomes. A manifestação ocorreu após o nome de Jair Bolsonaro aparecer nas investigações e no mesmo dia em que Eduardo Bolsonaro falou em reeditar o Ato Institucional n.º 5 (AI-5) no Brasil. 

Leia também: Paramilitares acusados de executar Marielle foram a condomínio de Bolsonaro no dia do crime

Além de relembrar o caso Marielle, os manifestantes levantaram palavras de ordem contra a volta do regime militar fascista e contra o governo de Bolsonaro, que é tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas.

Temendo que os ventos da rebelião popular no Chile e no Equador cheguem ao Brasil, as "autoridades" do velho Estado brasileiro vêm se preparando para conter o inevitável levante das massas, como ficou provado na manifestação do dia 31/10.

Um enorme contingente policial foi enviado pelo governo de João Doria para, literalmente, cercar os manifestantes, que denunciaram que a PM tentou a todo momento sufocar o protesto.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Mesmo com o cerco, os manifestantes seguiram o trajeto do ato até o prédio do escritório da Presidência, onde a via ficou fechada completamente apenas alguns minutos.

Em relato enviado ao jornal A Nova Democracia, a leitora Camila Freire, vendedora, afirmou: "Devemos fazer atos cada vez maiores para cobrar nossos direitos, para repudiar energicamente o assassinato de Marielle, para apoiar a luta dos povos latino-americanos, dos sem-teto, dos camponeses e todas as lutas que se voltam contra o sistema de exploração". 

"Essa quantidade de policiais no ato de hoje pode parecer sinal de força do governo, mas, na verdade, é um sinal de fraqueza, pois eles sabem que é impossível evitar a volta de um novo junho de 2013, que tende a ser mais combativo, e a única coisa que o Estado tem a oferecer é repressão. Eles estão numa encruzilhada e por isso tremem de medo que nossos protestos cresçam", conclui Camila Freire.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza