MS: Ataque criminoso ao território indígena Ñu Vera, em Dourados

A- A A+

Foto: Reprodução

No dia 4 de novembro, o território de retomada indígena Ñu Vera foi atacado por pistoleiros de grileiros que invadem territórios tradicionais no Mato Grosso do Sul. O crime, que ocorreu na cidade de Dourados, deixou um guarani kaiowá ferido com balas de borracha no tórax, ombro e cabeça. Além disso, foram também queimados os barracos onde viviam os indígenas.

Como exposto no vídeo divulgado, os pistoleiros chegaram com tratores alvejando todos os presentes. Os ataques foram orquestrados por grileiros e pelo setor imobiliário da região através de contrato de seguranças privados e as casas foram queimadas durante a madrugada. Conforme anteriormente relatado à Procuradoria-Geral da República (PGR), o veículo usado pelos criminosos é um trator adaptado que “possui uma perfuração em uma das laterais, através da qual posicionam uma arma e uma pickup preta sem placa. Estes dois veículos se movimentam no interior da tekoha [aldeia], atirando em todas as direções no acampamento dos indígenas, destruindo as suas tendas”. A defesa por parte dos indígenas foi realizada com fogos de artifício.

Desde a retomada do território, vêm ocorrendo sucessivos atentados aos indígenas promovidos pelos invasores. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), outro ataque a esse tekoha havia ocorrido há menos de 2 meses. 

A CPT relata que, “de acordo com o documento enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 24 de julho, ‘um menor indígena de 14 anos de idade, de nome Romildo Martins Ramires, foi atingido por 18 tiros de borracha e tiros de grosso calibre, sendo em seguida atirado vivo a uma fogueira pelos seguranças do ruralista (o nome consta na denúncia) onde permaneceu até o amanhecer, tendo 90% do corpo queimado’. O jovem não resistiu aos ferimentos e faleceu dia 5 dias depois”.

Somente em 2018, foram 38 indígenas assassinados no Mato Grosso do Sul, região que concentra parte da violência crescente impulsionada por latifundiários contra a luta por terra e território no Brasil.

Em resposta aos ataques, os guarani e kaiowá conclamam: Em memória de Romildo e todos os mártires do povo Guarani e Kaiowá: Avançar as retomadas e destruir o latifúndio!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja