DF: Indígenas realizam ato contra invasões, ataques e assassinato de líder Guajajara

A- A A+

Na  tarde de 7 de novembro, teve início uma marcha pela Esplanada dos Ministérios realizada por lideranças dos povos indígenas Surui Aikewara, Akrãtikatêjê Gavião, Amanaye, Atikum, Guajajara, Guarani Mbya, Tembe, Parakana, Galibi Marworno, Palikur e Karipuna, provindos do Pará e Amapá. Os indígenas denunciam as invasões promovidas pelo latifúndio, madeireiros e grileiros nos territórios e os assassinatos do líder do grupo de defesa da Amazônia - os "Guardiães da Selva - Paulo Paulino Guajajara e do cacique Emyra Wajãpi, do Amapá. 

Leia também: Guardiões da Floresta sofrem emboscada e líder guajajara é assassinado no Maranhão

Os povos originários também denunciam as ações do velho Estado, como os impactos da Usina Hidrelétrica de Marabá no rio Tocantins e do projeto “Ferrogrão” – ferrovia de 932 quilômetros que liga Sinop (MT) até Mirituba (PA), destinada ao escoamento de grãos como soja e milho.

Foto: Tiago Miotto/Cimi

Outro ato contra a morte do líder e a falta de ação das “autoridades” ocorreu no dia 4, na cidade de Imperatriz, sul do Maranhão. “O que ocorreu a gente já temia, a gente já mandou vários documentos tanto para Fundação Nacional do Índio, Ministério Público Federal, Polícia Federal e a própria Secretaria de Segurança Pública do Estado. Foi um crime, mas nós sabíamos das ameaças que eles vinham sofrendo. Já que ocorreu mais um crime e não foi o primeiro crime. Paulo Paulino foi mais um indígena assassinado”, denunciou Fabiana Guajajara a cumplicidade do velho Estado em entrevista ao monopólio de imprensa G1.

Conforme já noticiado pelo AND, depois do brutal assassinato de Paulo Paulino Guajajara, um incêndio criminoso de grandes proporções atingiu a Terra Indígena Arariboia, no Maranhão, onde, o líder indígena foi assassinado.

Leia também: MA: Incêndio criminoso atinge Terra Indígena Arariboia, onde líder foi assassinado

Durante os primeiros nove meses do ano, houve 160 casos relatados de invasões de terras indígenas, um aumento de 44% em relação aos números registrados no ano passado, segundo relatório do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). 

Foto: Adi Spezia/Cimi

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira