‘Lava Jato’ sofre derrota no STF e Luiz Inácio é solto

A- A A+

Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) do dia 7 de novembro, na qual considerou inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância, Luiz Inácio (PT) foi solto em Curitiba. Ele estava preso desde o dia 7 de abril de 2018.

A soltura ocorre num contexto de crescimento das tensões políticas no país. Conforme analisamos no Editorial de AND 228:

No STF a votação para decidir se é constitucional ou não a prisão em segunda instância (decisão que determinará a sorte da própria “Lava Jato”, pois podem ser soltos todos seus “troféus” presos), no que depender do posicionamento espontâneo dos ministros, pode ter desfecho contrário à Operação, visto que a composição dessa instituição tende à centro-direita, embora haja uma contratendência à direita (Luis Roberto Barroso, Edson Fachin, Luiz Fux etc.) estimulada pelo Alto Comando das Forças Armadas (ACFA). Dias Toffoli está sendo aquartelado pelos generais que estão movimentando-se e ameaçando a todo o tempo o STF, coagindo tal instituição a seguir os planos da ofensiva contrarrevolucionária para dar cobertura de “legalidade” e “constitucionalidade” ao golpe militar passo a passo, desatado sob a forma de Operação “Lava Jato”.

O fato de que será julgado, em algumas semanas, a “suspeição” de Sergio Moro – cujo resultado é ainda mais importante do que este, de ontem – obrigou o ACFA a não “forçar a barra”, pois tornaria perigosamente evidente que tal república não passa de um espantalho por trás da qual quem manda são os generais, à frente do núcleo do establishment. Desgastaria, pois, a própria imagem dessa “democracia”, tornando escandalosa qualquer pressão no julgamento posterior, que decidirá a própria inelegibilidade do chefe petista.

Longe de uma vitória estratégica para o oportunismo, a soltura tem um efeito político bastante limitado. Luiz Inácio segue condenado e inelegível, embora solto tenha maior poder de mobilização para fazer bravatas pelo país. No 27/11 haverá julgamento de outro processo seu em segunda instância, no qual provavelmente será condenado.

Leia também: Editorial - Desespero bolsonarista ameaça as massas com o fascismo

O pior para o oportunismo é que a decisão do STF de soltá-lo, como a todos os de segunda instância, atenua a pressão existente na opinião pública para que o STF considere o julgamento de Sergio Moro parcial – afinal de contas, o chefe petista já está solto, sendo “concedida” a grande reivindicação do campo do oportunismo, esvaziando até mesmo as atenções. Tanto é assim que o próprio PT e Lula, segundo jornalistas da Folha de S. Paulo, decidiram não comemorar como grande vitória, pois estão mais preocupados com o outro julgamento, cujo resultado é realmente importante. Atenuada a pressão, os generais direitistas terão campo livre para exercerem toda a pressão sobre o STF para que tal julgamento considere Moro como imparcial, validando todos os julgamentos contra o Luiz Inácio que tiveram atuação de Moro. O ACFA aquartelará Dias Toffoli e outros mais, com maior garantia de sucesso. Os generais sabem que se fracassarem neste ponto, lançando por terra todo o trâmite dos processos contra Luiz Inácio e tornando-o livre e elegível, será provavelmente o fim da ofensiva contrarrevolucionária pela via institucional e será a grande chance para os fascistas bolsonaristas arrebatarem a opinião pública direitista para seu plano.

A extrema-direita, por sua vez, sente não haver ainda acumulado, na opinião pública “anticorrupção”, a indignação e histeria necessárias para elevar sua retórica de fechamento das instituições, mas utilizará tal decisão do STF e a soltura de Lula para elevar sua propaganda por um regime fascista, como já tem se utilizado. Como analisamos no Editorial citado acima:

A direita no ACFA quer salvar a “Lava Jato” porque é parte estratégica de seu plano contrarrevolucionário preventivo de “lavar a fachada” do sistema político, cujo propósito central é “desarmar a bomba” em que se converteu a desmoralização das instituições perante as massas. Por outro lado, os generais querem impedir que toda a opinião pública manipulada por um falso moralismo anticorrupção, que hoje aglutina-se na defesa da “Lava Jato”, se radicalize ao vê-la morta pelas mãos do STF e encontre no discurso fascista bolsonarista uma vazão para sua histeria, o que impulsionaria o apoio ao golpe “à moda antiga”.

A centro-direita, por sua vez, regozija-se. Vários dos “figurões” serão soltos, inclusive do oportunismo. Com isso a própria “Lava Jato” sofre uma derrota importante, porém não final, visto que, nas palavras do próprio Moro, “o parlamento pode mudar a lei” e passar a permitir, na própria constituição, a prisão em segunda instância.

Foto ilustrativa

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja