Manifestação na Cisjordânia enfrenta repressão; Exército israelense assassina palestino

A- A A+

O funeral no campo de refugiados de al-Arroub foi marcado por indignação e protesto dos presentes. Foto: Mussa Qawasma/Reuters 

No dia 11 de novembro, durante uma manifestação no campo de refugiados de Al-Aroub, próximo à cidade de Hebrom, na Cisjordânia ocupada, as Forças de Defesa de Israel (FDI) abriram fogo e executaram o palestino Omar Haitham al-Badawi, que vivia no campo. 

A manifestação, marcada por confrontos entre os soldados que atiraram e manifestantes que lançaram pedras e coquetéis explosivos contra as forças da ocupação, exigia o fim da ocupação colonial e as incursões militares no campo de refugiados.

Al-Badawi, que não participava do protesto, foi atingido no peito e socorrido no hospital de Hebrom, porém não sobreviveu aos ferimentos letais. Em um vídeo que documenta a execução, é possível vê-lo se aproximando com calma dos soldados, anunciando-se, e escuta-se uma voz ao fundo pedindo que ele traga água, quando é alvejado pelos disparos e cai no chão. 

Segundo o jornalista Abdel Rahman Hassan, que noticiou o caso, al-Badawi sequer estava presente nos confrontos entre as forças da repressão e os jovens palestinos, conforme alegam os soldados presentes, ainda que isso não justificasse. al-Badawi foi à rua depois que uma árvore perto de sua casa começou a queimar após ser atingida por algum dispositivo inflamável. Ele foi visto inclusive carregando uma toalha, a fim de apagar o fogo, quando os dois tiros foram disparados. 

Horas depois, seu corpo foi levado de volta ao campo de refugiados, e os moradores desfilaram-no em protesto, carregando o cadáver envolto por bandeiras e lenços árabes. O campo de al-Arroub é o que sofre mais incursões das FDI em toda a Cisjordânia, de acordo com dados da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA), e concentra focos de protestos contra as forças da ocupação. 

 No fim de outubro, 13 palestinos moradores de al-Arroub foram presos em uma operação das FDI que investigava o aumento de ataques a pedras e inflamáveis contra veículos israelenses na rodovia próxima ao campo, a Rodovia 60, que conecta o assentamento ilegal da ocupação colonial israelense em Etzion. Entre 1967 e 2017, foram mais de 200 assentamentos ilegais construídos na Cisjordânia ocupada, incluindo a parcela de Jerusalém Oriental, e estima-se que a população israelense de colonos vivendo neles já alcança os 620 mil.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja