Heroico povo chileno incendeia centro de tortura da ditadura de Pinochet

A- A A+

Imagem: Reprodução/YouTube

Durante a jornada de Greve Geral que mobilizou mais de dois milhões de pessoas em todo o Chile, no dia 12, o heroico povo chileno tomou e incendiou o prédio que foi um dos primeiros centros de torturas usados pelo regime militar-fascista de Pinochet, a Escola de Engenheiros Militares de Tejas Verdes, na cidade de San Antonio.

Segundo o monopólio de imprensa local, os manifestantes incendiaram o local e destruíram o edifício principal, além de algumas instalações usadas para treinamento de oficiais.

Além disso, o povo entrou nos armazéns, onde tomaram suprimentos do Exército.



Localizado a 114Km de Santiago, o complexo de Tejas Verdes foi um dos primeiros centros de torturas usados pelo regime ditatorial de Pinochet. Descrito pelo jornalista chileno Javier Rebolledo em seu livro “El Despertar de los Cuervos” como o primeiro centro repressivo do velho Estado chileno, que já realizava torturas em 1972, antes mesmo do golpe militar fascista contra Salvador Allende.

No mesmo livro, algumas das testemunhas sobreviventes das torturas, relatam ter escutado “pessoas falando português e um oficial que usava uma camiseta comemorativa do título brasileiro na Copa de 1970”. Esses mesmos relatos reforçam a tese do autor de que os militares fascistas chilenos receberam instruções sobre técnicas de tortura por seus asseclas enviados pelo Exército brasileiro, em uma coordenação realizada a partir da chamada Operação Condor – aliança entre forças militares reacionárias de países da América Latina para promover os regimes fascistas pró-ianques.

Através do Twitter, o Exército reacionário chileno apelou pedindo o "fim da violência" alegando cinicamente que "atos como este não contribuem para um clima de paz entre os chilenos".

Este mesmo Exército antipovo, defensor das classes dominantes e do regime de exploração do povo chileno, que agora clama por "paz" foi o responsável, juntamente com os carabineros (policiais), pelo assassinato de dezenas de manifestantes, além de tortura e violência sexual contra centenas de pessoas durante os grandes protestos dos últimos meses.


Leia também:

Número de mortos em protestos no Chile chegou a 23

Chile: Polícia tortura manifestantes em centros clandestinos

Chile: Mulheres são vítimas de violência policial durante protestos

Em grandes protestos violentos, povo chileno se levanta e paralisa o país

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja