Nova onda de agressões de Israel à Gaza já soma mais de 30 palestinos mortos

A- A A+

Foto: Mohamad Torokman/Reuters

Iniciados no dia 12 de novembro, os ataques aéreos do Estado colonialista de Israel já mataram pelo menos 34 palestinos e deixaram feridos mais de 100 na Faixa de Gaza, em uma das ondas de agressões mais violentas desde o impulso da guerra de dominação nacional em 2014.

A ofensiva teve início com um bombardeio que executou Bahaa Abu al-Ata, um dos principais comandantes do grupo Jihad Islâmica, um dos grupos que compõe a Resistência Nacional da Palestina, além do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), que administra a região costeira.

Em resposta à morte de seu comandante e da esposa daquele, a Jihad Islâmica disparou cerca de 450 foguetes contra Israel, fazendo soar as sirenes de alerta ao sul e no centro do país sionista, inclusive na própria Tel Aviv, capital comercial israelense, segundo as Forças Armadas de Israel. A Jihad Islâmica também denunciou que, no mesmo dia, outro de seus líderes políticos teve sua casa bombardeada em Damasco, capital da Síria, levando à morte seu filho e sua neta, e acusou Israel de também ser responsável pelo ataque.

A retaliação da Resistência causou diversos danos a prédios e estruturas urbanas no enclave sionista. Uma fábrica na cidade de Sderot foi atingida e incendiada, e algumas estradas e rodovias ficaram interditadas, após serem atingidas por foguetes.

O Exército de Israel afirmou que seu escudo anti-mísseis, o Iron Dome, havia interceptado 90% dos projéteis, porém segundo informações do monopólio de imprensa El País o sistema defensivo não foi ativado em 60% dos lançamentos provindos de Gaza. No dia seguinte ao início da ofensiva da Resistência, a ocupação militar israelense na fronteira já tinha sido intensificada, com baterias blindadas e de artilharia mobilizadas para o caso de realizar-se uma operação terrestre.

Poucas horas após o início dos ataques aéreos, os hospitais de Gaza já haviam declarado estado de emergência, e funcionaram atendendo às centenas de feridos pelo fogo inimigo. Segundo o Ministério de Saúde palestino em Gaza, 111 palestinos ficaram feridos, além dos 34 mortos, dos quais oito eram crianças.

O caso que mais repercutiu dos crimes de Israel cometidos contra o povo palestino nessa sequência de ataques foi o da família Abu Malhous, moradores de Deir al-Balah (uma cidade no centro de Gaza), cujos oito membros da família, incluindo quatro crianças e duas mulheres, foram mortos após um avião israelense F16 reduzir a escombros a sua casa com um míssil. No dia 14, o funeral da família reuniu centenas de palestinos na mesquita de Al-Mujahideen (que pode ser traduzido como “Combatente”) que carregavam bandeiras pretas da Jihad Islâmica.

De acordo com o movimento resistente Hamas, Israel “assume total responsabilidade por todas as consequências dessa escalada” e declarou que a morte de Abu al-Ata “não ficará impune”.

A Faixa de Gaza se encontra há mais de dez anos sob um cerco e invasão militares conjuntos de Israel e do Egito, confinando mais de dois milhões de palestinos a uma prisão a céu aberto, sem liberdade de ir e vir e sob cotidianos ataques e bombardeios. Na última guerra de agressão em Gaza, em 2014, estima-se que mais de 2,2 mil palestinos foram mortos durante as incursões aéreas e terrestres das Forças Armadas israelenses.

Cessar-fogo frágil

Na madrugada do dia 14, após dois dias de confrontos, o porta-voz da Jihad Islâmica, Musab al-Braim, anunciou um cessar-fogo com as forças de Israel mediado pelo Egito que entrou em vigor no mesmo dia, segundo informações veiculadas pela agência de notícias Reuters. Segundo ele, o acordo previa que Israel cessasse os ataques aéreos e o uso de artilharia letal na repressão às manifestações semanais da Marcha do Retorno contra a ocupação que ocorrem perto do muro que isola a Faixa de Gaza.

No entanto, dois dias depois do anúncio do cessar-fogo, no dia 16, Israel voltou a realizar ataques aéreos, dessa vez direcionados contra alvos selecionados do Hamas, e não da Jihad Islâmica, de acordo com informações do próprio Exército.

Terror contra Gaza como estratégia

A onda de agressões contra Gaza aparece como a mais recente manobra política do ex-primeiro-ministro israelense, o genocida Benjamin Netanyahu. Após uma perda nas últimas eleições, que foram inconclusivas, o sionista de extrema-direita que agora lidera um governo interino parece querer perpetuar sua carreira política (abalada por diversos escândalos de corrupção) a partir da propaganda gerada pela mobilização do Exército contra o “inimigo” palestino.

O principal “rival” de Netanyahu na farsa eleitoral israelense, Benny Gantz, ex-chefe das Forças Armadas, também se coloca como um apoiador fervoroso de fortalecer a repressão e o cerco à Gaza, porém Netanyahu parece querer provar que está apto a levar suas propostas sanguinárias.

A exemplo de demonstrar sua política antipalestina, poucos dias antes do início dos ataques, Netanyahu nomeou como seu ministro da Defesa o fascista Naftali Bennett, aberto defensor da perseguição a grupos palestinos na Faixa de Gaza.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja