Milhares de bolivianos vão às ruas de São Paulo contra golpe de Estado em seu país

Fotos: Reprodução/Redes sociais

Milhares de pessoas se reuniram na avenida Paulista, em São Paulo, no dia 17 de novembro, em protesto contra o golpe de Estado militar na Bolívia - recém-perpetrado pelo conluio da direita e extrema-direita bolivianas, do Exército reacionário e do imperialismo ianque - que culminou com a renúncia do até então presidente Evo Morales.

Leia também: Forçado pelo USA e setores da grande burguesia, Evo Morales renuncia

Os manifestantes, em sua maioria migrantes bolivianos, responsabilizaram o Exército e a polícia pela perseguição e assassinatos que vêm acontecendo no país. Apesar de predominarem ilusões pacifistas ao redor da figura de Evo Morales e seus pedidos de paz e negociação, em diversos momentos da manifestação os manifestantes entoaram palavras de ordem como Mesa, Camacho, queremos tua cabeça!, em referência à liderança de direita Carlos Mesa e do líder de extrema-direita Luis Fernando Camacho, que insuflaram o golpe de Estado. Em outro momento, os manifestantes cantaram Bomba, metralha, o povo não se cala!

Por fim, entoaram canções tradicionais aymaras e quechuas, importantes nações indígenas dos Andes, relembrando as lutas em resistência ao colonialismo espanhol. Dentre essas canções, Bertolina Nissa, que conta a história de uma guerreira aymara que, junto ao seu companheiro Tupal Katari, somou-se ao Exército de Tupac Amaru contra os invasores; além de Ama Sua, Ama Lulla, Ama Qhella, que relembra e exalta a cultura quechua, ressaltando: “que mil anos se passem, e não se perca no esquecimento, nosso falar quechua fique cada vez mais claro: não seja ladrão, não seja frouxo, não seja mentiroso”.

Estima-se que atualmente há aproximadamente 100 mil bolivianos vivendo na cidade de São Paulo, sendo que a imensa maioria é composta por proletários e semiproletários.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin