Comunidades da Baixada Maranhense exigem a soltura de presos políticos e a retirada de cercas criminosas

A- A A+

Reproduzimos na íntegra o texto divulgado pelo site Diário de Luta sobre a manifestação ocorrida no Maranhão no último dia 14 de novembro em defesa da liberdade dos presos políticos do governo reacionário de Flávio Dino/PCdoB.


Fotos: Diário de Luta

COMUNIDADES DA BAIXADA MARANHENSE TOMAM AS RUAS E EXIGEM DO GOVERNO FLÁVIO DINO A RETIRADA IMEDIATA DAS CERCAS CRIMINOSAS DOS CAMPOS PÚBLICOS

Na manhã do dia 14 de novembro, centenas de camponeses, mulheres, jovens e crianças, tomaram as ruas em marcha no município de Arari, localizado na Baixada ocidental maranhense.

Empunhando bandeiras, com faixas, entoando cantos e palavras de ordem, exigiram do governo Flávio Dino a retirada imediata das cercas ilegais e do gado búfalo da Área de Proteção Ambiental da baixada maranhense.

Comunidades que compõem o Movimento Fóruns e Redes de Defesa dos Direitos da Cidadania do Maranhão há muito tempo tem denunciado os crimes de cercamento de terras públicas, além dos crimes ambientais perpetrados por latifundiários, grileiros e criadores de gado bubalino. Acontece que as autoridades de Arari, notadamente o delegado de polícia, a promotora de justiça e o juiz de direito jamais puniram esses criminosos, pelo contrário, resolveram criminalizar as comunidades, suas lideranças e suas organizações sociais.

Leia também: Milhares se mobilizam para exigir liberdade aos lavradores da Baixada maranhense

Existe na delegacia de polícia de Arari mais de uma dezena de inquéritos criminais, algumas denúncias formuladas pelo Ministério Público e aceitas pelo Poder Judiciário, criminalizando os movimentos sociais.

Consequência dessa criminalização foram as prisões arbitrárias de 8 (oito) camponeses durante esse ano, os últimos Joel, Emilde, Edilson e Laudivino, já estão há mais de 60 dias presos no presídio regional de Viana no Maranhão, estes acusados pelo Ministério de terem cometidos os crimes exercício arbitrário das próprias razões, associação criminosa e posse ilegal de arma de fogo, verdadeiras chicanas jurídicas para manter camponeses presos.

Durante a caminhada os manifestantes se concentraram em frente a delegacia de polícia e denunciaram a posição parcial do delegado Alcides Nunes Neto o chamando de “delegado de grileiros”.
Durante o marcha esteve presente representantes da coordenação dos Fóruns e Redes de Cidadania e do assessor jurídico o advogado popular Iriomar Teixeira.

Ao fim, os presentes reafirmaram o compromisso de lutar pelos campos livres.

Disseram também que voltarão às ruas no dia 21 de novembro de 2019, pois, nesse dia, será a audiência de instrução e julgamento dos presos políticos do ministério público, do poder judiciário e do governo Flávio Dino.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja