Legalização do genocídio: Governo de Bolsonaro e generais anuncia excludente de ilicitude

A- A A+


Manifestação contra o assassinato do músico Evaldo Rosa, fuzilado pelo Exército no RJ em abril de 2019. Foto: Mauro Pimentel/AFP

No dia 21 de novembro, durante o lançamento do ultrarreacionário partido “Aliança pelo Brasil”, o fascista Jair Bolsonaro afirmou ter enviado ao Congresso Nacional o chamado excludente de ilicitude, um projeto que pode isentar de punição os agentes de “segurança” e militares em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

O Código Penal brasileiro prevê exclusão de ilicitude para qualquer cidadão em três casos: no estrito cumprimento do dever legal, em casos de legítima defesa e em estado de necessidade. Porém, o novo texto trata exclusivamente da ação de agentes de repressão e militares em casos de operações de GLO. Esta é a segunda vez que Bolsonaro encaminha a proposta sobre excludente de ilicitude, sendo que o projeto precisa de aprovação pela Câmara e pelo Senado.

O Projeto de Lei anunciado por Bolsonaro beneficiaria as Forças Armadas, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, a Polícia Ferroviária Federal, os bombeiros e as polícias militares e civis, e são assinadas por determinação expressa do presidente da República. Vale lembrar que ela já foi utilizada em manifestações contra o ex-presidente Michel Temer e em favelas do Rio de Janeiro.

Sobre o genocídio de pobres no Rio, em particular, praticamente todas as operações de “segurança” (leia-se, de repressão e controle da pobreza) levadas a cabo pelas Forças Armadas são feitas através dos decretos de GLO.

O texto estabelece, por exemplo, que os agentes podem agir em “legítima defesa” em prática ou iminência de prática de ato de terrorismo sem especificar o que seria terrorismo – ao passo que querem legitimar as inúmeras práticas de terrorismo que são cometidas pelas forças policiais nas favelas e bairros pobres do país. Além disso, o texto fala de “defesa” em prática ou iminência de prática de conduta capaz de gerar morte ou lesão corporal; restringir a liberdade da vítima, mediante violência ou grave ameaça; e portar ou utilizar ostensivamente arma de fogo.

Em todas as situações descritas acima, o texto diz que não deve haver prisão em flagrante do agente. Os casos ficariam (supostamente, diga-se de passagem) para serem investigados pelas autoridades militar ou policial e remetido ao Ministério Público.

América Latina em chamas: Bolsonaro e generais temem levante do povo brasileiro

No atual momento político que o Brasil vive, diante da grave crise e com uma guerra civil reacionária sendo levada a cabo contra o povo no campo e na cidade, em outras palavras, Bolsonaro quer dar carta branca para o incremento do massacre do povo pobre.

Além disso, os levantes populares que vêm sacudindo a América Latina estão preocupando os inimigos do povo, que precisam de artifícios deste tipo para evitar que o mesmo ocorra no Brasil. Bolsonaro sabe que diante dos fatos ocorridos no Chile, Equador, Colômbia e Bolívia, e com o barril de pólvora em que o Brasil se transformou, a única resposta que as forças do velho Estado têm a oferecer para as massas é a repressão desenfreada. O próprio golpe militar preventivo contrarrevolucionário em marcha no Brasil tem essa como uma de suas tarefas principais: evitar o levante do povo brasileiro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademoc[email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza